Publicidade

Estado de Minas

Parada LGBTQ reúne milhões contra 'fundamentalismo religioso'

Organizadores afirmam que três milhões de pessoas participaram do evento


postado em 18/06/2017 14:15 / atualizado em 18/06/2017 22:57

(foto: / AFP / Miguel SCHINCARIOL)
(foto: / AFP / Miguel SCHINCARIOL)

A Parada do Orgulho LGBTQ de São Paulo toma a Avenida Paulista neste domingo, 18, e pede a realização de novas eleições presidenciais. Organizadores afirmam que o evento levou 3 milhões de pessoas para as ruas da capital paulista. A Polícia Militar (PM) não divulgou o número de participantes.

"Nós queremos 'diretas já' para ontem", afirma Nelson Matias, sócio fundador da Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo (Apoglbt), que há 21 anos organiza o evento.

"A Parada é uma festa, sim, mas também uma manifestação", diz Matias. "Se fôssemos um País consciente já teríamos derrubado esse governo que está aí, mas estamos assistindo a tudo deitados em berço esplêndido."

Neste ano, a Parada adotou como tema o combate ao "fundamentalismo religioso". "Independente de nossas crenças, nenhuma religião é Lei! Todas e todos por um Estado Laico", diz o tema escolhido.

Para Matias, o avanço do protagonismo político de bancadas evangélicas é o principal responsável pelo que chamou de "retrocesso da pauta LGBT". "Todos os direitos que conquistamos não foram pelo Legislativo, foram pelo Judiciário", afirma.

(foto: / AFP / Miguel SCHINCARIOL)
(foto: / AFP / Miguel SCHINCARIOL)
"As bancadas evangélicas têm emperrado nossa participação nas discussões", diz. "Emperram a criminalização da homofobia. Propõem o Estatuto da Família e a retirada das discussões de gênero nas escolas."

Dezenove trios elétricos desfilam neste domingo, entre a Avenida Paulista e a Rua da Consolação, a partir das 13 horas. Entre as atrações, a cantora Anitta se apresenta no trio do Uber, e Daniela Mercury, no da Skol - os dois patrocinadores do evento. Fafá de Belém e Tulipa Ruiz também fazem parte da programação. (Com Agência Estado)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade