Publicidade

Estado de Minas

Pastora terá mês sabático e fecha igreja depois de denúncias de pedofilia

Religiosa decidiu fechar as portas do Ministério AME (Associação Mundial de Evangelização e Ensino) para se dedicar ao filho. Criança teria sido abusada sexualmente por seu marido, o também pastor Felipe Heiderich


postado em 09/07/2016 09:36 / atualizado em 09/07/2016 10:55

(foto: Reprodução/Instagram)
(foto: Reprodução/Instagram)
"Ninguém pode imaginar o que meu filho está passando, tomei as providências necessárias, a partir do momento que eu soube. Estou tão perplexa quanto vocês", desabafou ontem em um vídeo postado no Facebook uma pastora do Ministério AME (Associação Mundial de Evangelização e Ensino), igreja criada há quatro meses no Rio de Janeiro. Na semana passada foi divulgado pela própria religiosa, um relato de que seu marido, também pastor Felipe Heiderich, teria abusado sexualmente do enteado, de 5 anos. A religiosa disse ainda que está começando um mês "sabático", onde se dedicará exclusivamente ao filho para ajudá-lo a superar o ocorrido.

A religiossa rebateu críticas recebidas pela  internet de que estaria expondo o filho e reforçou que nunca citou o nome da criança. "Nunca citei o nome do meu filho, nunca dei entrevistas, a informação vazou." De acordo com informações do jornal Extra, a igreja será fechada e a pastora reassumirá posição na igreja Batista.  A AME havia sido criada oficialmente há quatro meses, no Rio de Janeiro.

Segundo a religiosa, o caso arrasou sua família e ela entende que ele serve também de alerta contra a pedofilia. "Tudo que descobriram teve um impacto devastador em mim como esposa. Eu era apaixonada pelo meu marido! Mas jamais aceitaria uma atrocidade dessas. Hoje eu sei que não o conhecia", disse a pastora. Felipe Heiderich está preso e nega a denúncia. Ele se tornou pastor associado da Kingdom Global Ministries (KGM), organização da qual sua esposa já fazia parte, em Dallas, no Texas.

Ao anunciar seu período sabático a religiosas agradeceu apoio de pessoas na internet e pediu orações.

 

 


Publicidade