Publicidade

Estado de Minas

General do Exército faz post polêmico sobre onça morta em Manaus

Militar demonstrou solidariedade aos colegas que sacrificaram o animal com um tiro depois de ser exibida na passagem da tocha olímpica na segunda-feira. Caso ganhou repercussão mundial


postado em 23/06/2016 10:59 / atualizado em 23/06/2016 13:17

(foto: Reprodução Facebook)
(foto: Reprodução Facebook)

A morte da onça Juma morta com um tiro nas dependências do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs) depois de ser exibida na passagem da tocha olímpica em Manaus (AM), na segunda-feira, continua gerando repercussões. O General Theophilo, do Exército Brasileiro, fez um post em seu perfil no Facebook em solidariedade aos colegas de exército que tomaram a decisão de sacrificar o animal. Na manhã desta quinta-feira, o post tinha 17 mil curtidas, 10 mil compartilhamentos e mais de 3 mil comentários na rede social.

"Acusa-los é fácil....dificil é digitar CIGS (ou 1º BIS, ou coisa do gênero) e pelo menos se informar sobre o trabalho que eles fazem...Doeu em você? Imagine o quanto doeu em quem teve de tomar a decisão? Você já teve de tomar essa decisão? Sacrificar o que você ama pra salvar quem você é? Sim? Não?", escreveu o militar. Ele termina o post afirmando ter duas sugestões às pessoas que criticaram a ação. "Tenho duas sugestões...Vá se informar melhor, ou vá cuidar da sua vida...Porque duvido que você tenha coragem de cuidar das onças como eles fazem! Brasil acima de tudo!", disse.

Defesa
O Comitê Organizador da Rio-2016 admitiu, por meio das redes sociais, que errou ao permitir a participação do felino no desfile."Erramos ao permitir que a Tocha Olímpica, símbolo da paz e da união entre os povos, fosse exibida ao lado de um animal selvagem acorrentado. Essa cena contraria nossas crenças e valores. Estamos muito tristes com o desfecho que se deu após a passagem da tocha. Garantimos que não veremos mais situações assim nos Jogos Rio 2016", afirmou o comitê em nota.

 

 

O Centro de Instrução de Guerra na Selva abriu uma investigação sobre o incidente. O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) divulgou um comunicado no qual esclarece que não recebeu nenhuma solicitação para autorizar a participação de Juma no evento da passagem da tocha olímpica.

Um abaixo-assinado intitulado "Justiça para Juma" foi criado na plataforma change.org e somava mais de 143 mil assinaturas na manhã desta quinta-feira, alegando que a retirada da onça do seu habitat natural para servir de "alegoria" para a Olimpíada foi uma "atitude irresponsável" que "custou a vida de uma animal inocente".

Denominada de jaguar em outros países, a onça é o maior felino das Américas. Pode chegar a pesar 135 quilos e está em risco de extinção. (Com agências)




Publicidade