UAI
Publicidade

Estado de Minas

Após caso bárbaro no Rio, mulheres lançam "gritaço" contra naturalização do estupro

Reação veio imediatamente após internautas debocharem e compartilharem um vídeo de uma garota nua e dopada que foi estuprada por mais de 30 homens


postado em 26/05/2016 14:46 / atualizado em 26/05/2016 21:23

Coletivos de feministas lançaram nesta quinta um “gritaço” nas redes sociais contra a naturalização do estupro. O movimento começou depois da divulgação de um vídeo de uma garota desacordada e nua, vítima de violência sexual no Rio de Janeiro. A ideia da campanha é reunir mulheres de todas as partes do Brasil gritando não contra o machismo, a misoginia e a violência contra as mulheres e em solidariedade à garota alvo da violência. A atriz Letícia Sabatella aderiu ao protesto. Paralelamente, a advogada e empresária dos Racionais Mcs, Eliane Dias, e a presidente Dilma Rousseff também manifestaram na web em solidariedade à garota e demonstaram repúdio à ação dos homens.



Postado nas redes sociais na terça-feira, o vídeo com imagens chocantes viralizou na internet. A Polícia Civil e o Ministério Público fluminense investigam o caso e também a divulgação e o compartilhamento das imagens. Muitos internautas postaram o vídeo nas redes sociais como se não houvesse nenhum tipo de problema e ainda escreveram comentários agressivos contra a garota, já identificada, que tem apenas 17 anos.

“A ideia surgiu de discussões de coletivos feministas indignados com a forma como o caso foi tratado por algumas pessoas”, conta Manoela Miklos, feminista, doutora em Relações Internacionais e criadora da campanha #AgoraÉQueSãoElas, em que mulheres ocuparam o espaço de escritores e jornalistas homens durante uma semana em março, no mês do Dia Internacional da Mulher.

“A gente ficou pensando em frases de efeito para tentar expressar nossa indignação, mas no fim decidimos que deveria ser mesmo um não. Já tentamos mil vezes explicar que isso é crime, não temos mais o que fazer. É não mesmo”, relata. A intenção é juntar vários desses vídeos em um só e postar um “gritaço” nacional hoje as 20h nas redes sociais com as hashtags #estupronuncamais #nãopassarão, explica Manoela, uma das articuladoras da ação, que envolve mulheres do Brasil inteiro.

Uma das apoiadoras é a filósofa e idealizadora da PartidA, um movimento que pretende criar um partido feminista brasileiro, Márcia Tiburi. Para ela, o estupro tem que ser olhado como uma questão cultural para entender o motivo de o caso dessa garota não ser visto com indignação por todos. “Temos que aprender a olhar para o estupro como uma questão cultural. Na experiência cultural costumamos naturalizar tudo aquilo que se torna comum, diário e cotidiano. Tudo aquilo que não é questionado”, afirma Márcia.

Segundo ela, por isso têm pessoas hoje rindo com o que aconteceu com a garota que foi estuprada no Rio de Janeiro. “Pessoas que riem disso são aquelas pessoas que naturalizaram justamente esse dado cultural, mas ao mesmo tempo nós não podemos naturalizar a ideia de que os homens são estupradores por natureza porque eles não são. As pessoas são criadas, educadas, formadas, generificadas, subjetivadas dentro do contexto cultural e da tradição que elas vivem, por isso precisamos combater a cultura do estupro contra toda forma de naturalização”, defende a filósofa. Quem também aderiu ao protesto foi a atriz Letícia Sabatella.

Segundo dados do governo federal, no Brasil acontecem oito estupros por dia ou um a cada três horas, em média. Os números foram coletados pelo Disque 180, a central de atendimento à mulher da Secretaria de Mulheres. De acordo com o 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, cujos dados mais recentes são de 2014, um estupro acontece a cada 11 minutos no Brasil, ou 47,6 mil no ano.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade