Publicidade

Estado de Minas

Outdoor contra direitos dos deficientes é na verdade uma campanha publicitária da Prefeitura de Curitiba

Ação coincide com a semana do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência (3 de dezembro) e do Dia Mundial da Acessibilidade (5 de dezembro)


postado em 01/12/2015 15:08 / atualizado em 01/12/2015 15:57

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
O polêmico outdoor que pedia o "fim dos privilégios para deficientes" instalado em Curitiba para atacar os direitos dos deficientes se trata na verdade de uma campanha publicitária. Criada pela prefeitura da cidade para chamar a atenção para os preconceitos enfrentados diariamente pelas pessoas que têm deficiência.

A campanha publicitária foi desenvolvida pelo Conselho da Pessoa com Deficiência de Curitiba e terá uma segunda etapa, cujo mote é : “Não é privilégio, é direito” e usará a hashtag #somosmuitostemosnossosdireitos. O objetivo será justamente para explicar os motivos de cada um dos direitos que foram atacados na peça, criada pela Agência Competence.

"Nós sabemos que vocês ficaram chocados com as revindicações feitas pelo movimento. Esse choque, é o nosso alívio.  O desrespeito que aconteceu na internet durou só um dia, mas as pessoas com deficiência enfrentam essa afronta todos os dias. Esperamos que cada um que se revoltou, na internet, seja uma voz real na luta pelos nossos direitos. Que não se calem ao ver uma pessoa com deficiência sendo desrespeitada ou discriminada Denunciem! Não se revoltem somente nas redes sociais.", diz a nota publicada na página de Faccebook Movimento pela Reforma de Direitos

A placa pelo"fim dos privilégios para deficientes" foi instalada na Rua Santa Cecília, no Bairro Vista Alegre, na capital paranaense. O texto não trazia mais detalhes, mas a página do grupo no Facebook, criada há menos de 24 horas, dizia que há uma petição pública online em aberto. Os integrantes se diziam prejudicados pelas leis que "privilegiam uma minoria e esquecem da maioria".

Vários usuários do facebook invadiram o página do grupo para questionar a iniciativa. "Esta página é uma piada? Se for, é uma piada de muito mal gosto", diz um deles. "Cara, achei que isso aqui era uma zoeira", diz outro. Usuários ainda se articulam para denunciar a página por crime de ódio junto à Polícia Federal. O assunto foi um dos mais discutidos no Twitter nessa segunda-feira.

A ação coincide com a semana do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência (3 de dezembro) e do Dia Mundial da Acessibilidade (5 de dezembro). Pelo Facebook, a presidente do Conselho a Pessoa com Deficiência de Curitiba, Mirela Prosdócimo, falou sobre a campanha.

Não é privilégio. É direito.

Nós sabemos que vocês ficaram chocados com as revindicações feitas pelo movimento. E esse choque, é o nosso alívio. O desrespeito que aconteceu na internet durou só um dia, mas as pessoas com deficiência enfrentam essa afronta todos os dias. Esperamos que cada um que se revoltou, na internet, seja uma VOZ REAL na luta pelos nossos direitos. Que não se calem ao ver uma pessoa com deficiência sendo desrespeitada ou discriminada. Denunciem! Não se revoltem somente nas redes sociais.

Posted by Movimento Pela Reforma de Direitos on Terça, 1 de dezembro de 2015

 

 

 


Publicidade