Publicidade

Estado de Minas

Ativista de manifestações é detida em operação da polícia de São Paulo

Divisão de Investigações Gerais do Departamento Estadual de Divisões Criminais cumpre 12 mandatos de prisão nas casas de ativistas que participaram de protestos no ano passado


postado em 12/06/2014 14:37 / atualizado em 12/06/2014 14:46

A Divisão de Investigações Gerais do Departamento Estadual de Divisões Criminais (Deic) faz uma operação desde as 7h desta quinta-feira, 12, para cumprir 12 mandados de busca e apreensão nas casas de suspeitos na investigação sobre grupos ativistas durante as manifestações do ano passado. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, houve apreensão de materiais, mas a pasta ainda não especificou o que era.


Até as 12h45 desta quinta-feira, 12, a única detida foi Luana Bernardo Lopes, de 20 anos, que foi presa em outubro do ano passado ao ser enquadrada na Lei de Segurança Nacional. Ela e uma amigo fotografaram um ataque a um carro policial e foram pegos com sprays e cartazes.

Segundo o seu advogado, Armando de Oliveira Costa Neto, a intenção da polícia seria coibir manifestantes que já estão sendo investigados de participar de eventuais protestos durante a Copa. O advogado afirmou que não sabe ainda a natureza da prisão de sua cliente, mas não poderá entrar com habeas corpus porque o plantão judiciário se encerrou ao meio-dia.

Nesta quarta-feira, 11, no Rio, dez ativistas de presença constante nas manifestações tiveram os computadores e celulares apreendidos e foram levados para a delegacia para prestar depoimento durante todo o dia. Entre eles estava a ativista Elisa Quadros, a Sininho, que ficou conhecida após os protestos do ano passado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade