Publicidade

Estado de Minas

Metroviários insistem em manter paralisação mesmo com multas

Nos últimos quatro dias de greve, cerca de 3,9 milhões de pessoas foram afetadas pelo movimento


postado em 09/06/2014 07:35 / atualizado em 09/06/2014 08:27

Metroviários e apoiadores dos grevistas foram dispersados com bombas de gás lacrimogêneo pela PM na manhã desta segunda-feira(foto: AFP PHOTO/NELSON ALMEIDA )
Metroviários e apoiadores dos grevistas foram dispersados com bombas de gás lacrimogêneo pela PM na manhã desta segunda-feira (foto: AFP PHOTO/NELSON ALMEIDA )

Em assembleia na tarde deste domingo, os metroviários de São Paulo decidiram manter a greve da categoria, iniciada na última quinta-feira. Nos últimos quatro dias, a paralisação afetou cerca de 3,9 milhões de pessoas e tem provocado transtornos. A decisão foi tomada após o julgamento da greve pelo Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP), que considerou a paralisação abusiva e determinou uma multa de R$ 500 mil por dia, caso os metroviários não voltem imediatamente ao trabalho.

A manhã desta segunda-feira foi marcada pela expulsão dos grevistas das imediações da estação Ana Rosa, na Zona Sul da cidade. Durante a madrugada, os manifestantes atearam fogo em pneus e fizeram piquete na porta da entrada do metrô. Eles foram dispersados pela tropa de choque da PM, que usou bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo. A estação foi reaberta após a dispersão dos manifestantes. Menos da metade das 65 estações metroviárias estão abertas e a Companhia de Engenharia de Tráfego de SP registrou 144 quilômetros de lentidão.

Na assembleia desse domingo, o presidente do sindicato, Altino Melo Prazeres, discursou pela manutenção do movimento e atacou o governador Geraldo Alckmin (PSDB). “Com ou sem greve, pode haver demissões. O governador odeia a gente. Esses caras são financiados por empresas”, afirmou. “Tem uma Copa do Mundo, o maior evento esportivo do planeta. Estamos em um momento único. Tem também eleições no fim do ano. Os protestos do ano passado entraram na nossa mente”, disse Prazeres.

O dirigente também convocou uma nova assembleia para esta segunda-feira, às 13h. Durante a assembleia, quatro pessoas falaram a favor da greve e quatro se pronunciaram contra a greve. A continuidade da greve foi decidida pela maioria das pessoas presentes. Funcionários que falaram contra a continuidade da greve foram vaiados. “A nossa greve já é vitoriosa. Nós fomos à mesa de negociação, aceitamos conversar. Nós resolvemos jogar esse jogo e agora veio a decisão da Justiça”, disse um trabalhador.

Justiça
Na decisão desse domingo, a Justiça fixou o reajuste salarial da categoria em 8,7%, valor proposto pelo Metrô na última negociação. Atualmente, o piso salarial dos metroviários é de R$ 1.323,55. Inicialmente, o pedido de reajuste feito pelo sindicato era de 35,5%, valor escolhido por ser o mesmo que uma comissão do Senado aprovou para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em maio passado. Na quarta-feira (4), também em reunião no TRT, a categoria diminuiu o pedido para 16,5%. No dia seguinte, os trabalhadores baixaram a reivindicação para 12,2%.

Os metroviários têm conseguido aumentos salariais maiores que a inflação e que a média obtida pelos empregados do setor de transportes. Enquanto os empregados do setor tiveram 4,9% de aumento real entre 2011 e 2013, segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos (Dieese), os metroviários tiveram 6,26%.

As estações do metrô abriram as portas ontem com mais de uma hora de atraso. O horário normal para o início da circulação dos trens é às 4h30, mas com a greve dos metroviários as estações começaram a funcionar por volta de 6h. Na linha 1-azul, estão abertas as estações de Ana Rosa a Luz; na linha 2-verde, funcionam as estações de Ana Rosa a Vila Madalena; na linha 3-vermelha, os trens circulam da estação Bresser-Mooca à estação Marechal Deodoro. A linha 4-amarela, que opera sob concessão e por isso não foi afetada pela greve, tem circulação de trens interrompida entre as estações Faria Lima e Paulista neste domingo, devido a obras de expansão. A linha 5-lilás funciona normalmente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade