Publicidade

Estado de Minas

Em 12 horas, mais de 40 motoristas são pegos dirigindo alcoolizados no DF

Balanço do Detran aponta média de 16 flagrantes em cada operação realizada


postado em 02/06/2014 08:09


Entre a noite de sexta-feira e a madrugada desse domingo, 42 motoristas foram pegos pelo Departamento de Trânsito (Detran) dirigindo alcoolizados no Distrito Federal. Esse número, expressivo desrespeito à Lei Seca, soma-se aos 300 flagrantes feitos em blitzes do órgão nos primeiros 20 dias do mês passado. O alto índice de autuações é reflexo do Maio Amarelo, programa no qual os Detrans de todos o país se mobilizaram para colocar em prática ações para reduzir as mortes no trânsito. A quantidade de infratores é ainda maior, pois falta o balanço do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (BPTran) nas blitzes conjuntas realizadas.

“O Maio Amarelo é um movimento mundial que visa conscientizar os condutores e os pedestres sobre o elevado número de mortos, feridos e pessoas com sequelas decorrentes de acidentes de trânsito. No Distrito Federal, o Detran, o DER e a Polícia Militar intensificaram as operações de trânsito para alcançar o objetivo desse movimento”, afirma Frederico Abraham, diretor de Policiamento e Fiscalização do Detran.


Na noite de sexta-feira, o Correio acompanhou uma das blitzes que encerraram o movimento. Dezesseis agentes do Detran, em sete viaturas, mais dois carros da PM instalaram-se nas redondezas da QE 38, entre o Guará 2 e o Núcleo Bandeirante, próximo ao Polo de Modas e a uma concentração de bares. Em uma hora, os auditores flagraram 12 motoristas que se recusaram a fazer o teste do bafômetro, seis sem carteira de habilitação, guincharam 12 carros até o depósito e multaram condutores por mais 20 infrações diversas.

“É um número elevado para apenas uma hora de operação”, disse Lucio Lahm, auditor fiscal de trânsito e encarregado da operação no Guará. “Escolhemos este local próximo dos bares para que os condutores alcoolizados não dirijam mais de 1km. Tentamos tirá-los de circulação, pois a maior parte dos acidentes na madrugada é causada por alcoolemia ao volante”, explicou. O motoboy Aramucio Alves de Souza, 43 anos, e a chapeira Marta Alves, 27, parados na blitz e aprovados no bafômetro, concordam. “Acho a Lei Seca uma boa. Deveria ter mais blitz”, disse Marta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade