Publicidade

Estado de Minas

Júri se reúne para sentença de último dia do julgamento do Carandiru

Defesa aposta em divergência entre os membros para aliviar condenação de PMs


postado em 02/04/2014 16:49 / atualizado em 02/04/2014 16:59

Seis homens e uma mulher estão na sala secreta do Plenário 10 do Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste de São Paulo, para dar o veredicto dos 15 PMs acusados por 8 mortes no Pavilhão 9 do Carandiru, em outubro de 1992. Esse é o último dos quatro júris das 111 mortes na antiga Casa de Detenção de São Paulo. Os debates foram encerrados por volta das 15h desta quarta-feira, 2.

O jurados terão que responder se os réus contribuíram com sua ação para a morte de cada vítima. O juiz Rodrigo Tellini preferiu não questionar os jurados sobre teses de defesa que excluem a conduta criminosa dos réus, como legítima defesa e cumprimento do dever legal. A medida foi aceita pela defesa. Segundo Tellini, se os jurados responderem somente se absolvem ou não o réu, a defesa terá matematicamente mais chances de ganhar, pois pode haver divergência entre membros do júri por qual motivo eles entendem que os PMs não devem ser condenados. A expectativa é que os jurados respondam em torno de 600 perguntas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade