Publicidade

Estado de Minas

Protesto em defesa de camponeses fecha entrada de ministério em Brasília

Duzentas barracas foram montadas em frente ao prédio. Movimento Camponês Popular pede melhorias para os profissionais


postado em 11/03/2014 08:41


Manifestantes do Movimento Camponês Popular montaram um acampamento em frente ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), nesta manhã de terça-feira (11/3), para protestar por melhorias para os profissionais. Eles chegaram em 15 ônibus, ainda durante a madrugada, e montaram 200 barracas na entrada do prédio, no estacionamento, barrando a porta de entrada de funcionários e também a do ministro.

A mobilização pacífica é nomeada como "Jornada de Luta em Defesa da Produção de Alimentos Saudáveis e pelos direitos das Mulheres Camponesas". Segundo a organização, camponeses e caponesas mobilizam-se porque o Brasil está cada vez mais dependente da importação de alimentos básicos, enquanto exporta soja e outras commodities.

O movimento é feito pela defesa da profissão, por alimentos mais saudáveis e também pelos direitos das mulheres camponesas motivada pelo Dia Internacional das Mulheres. Segundo o movimento, durante o protesto ninguém poderá entrar no MDA. A organização espera receber 3 mil manifestantes.

Um dos coordenadores nacionais do MDA, Ezequiel Gonçalves, explica que o movimento representa a insatisfação das famílias camponesas com o governo que tem priorizado o agronegócio. Segundo ele, as famílias camponesas não tem recebido incentivo do governo para produzir alimentos e a burocracia das políticas públicas existentes dificulta o trabalho da classe. "Nós só vamos sair daqui quando nossas pautas forem atendidas", disse.

Segundo o Centro Integrado de Atendimento e Despacho (Ciade) da Polícia Militar, até as 7h40 cerca de 200 pessoas já ocupavam a entrada do ministério. O trânsito ainda não sofreu nenhuma modificação e cinco viaturas da Polícia Militar monitoram o local.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade