Publicidade

Estado de Minas

Em depoimento, filho de Eduardo Coutinho confessa assassinato do pai

Daniel Coutinho, de 41 anos, depôs no hospital onde está internado no Rio de Janeiro


postado em 04/02/2014 13:49 / atualizado em 04/02/2014 16:54

Em depoimento à Polícia Civil, o filho do cineasta Eduardo Coutinho, Daniel Coutinho, de 41 anos, confessou que matou o pai e esfaqueou a mãe, Maria das Dores Coutinho, de 62. Ele foi ouvido nessa segunda-feira, ainda no Hospital Miguel Couto, onde está internado e sob custódia da polícia.

O delegado Rivaldo Barbosa, da Divisão de Homicídios, tomou o depoimento de Daniel nesta terça-feira, 04. Após matar o pai e tentar matar a mãe, ele tentou se suicidar, desferindo facadas em si próprio. No entanto, ele e a mãe sobreviveram. A mãe, Maria das Dores Coutinho, está internada em um hospital particular no Cosme Velho (zona sul).

Segundo o delegado, Daniel assumiu o crime e alegou que pretendia se suicidar, mas não queria deixar os pais "desamparado". "Ele confessou o crime e explicou que tinha medo constante de viver e o objetivo era se suicidar, mas ele disse que não queria deixar os pais desamparados", afirmou o delegado.

Barbosa afirmou que ainda não é possível afirmar se Daniel sofre de esquizofrenia, como foi relatado por amigos da família. "Não tem relação direta entre doença mental e prática de crime. O que importa é que o crime foi esclarecido", afirmou.

Maria das Dores, de 62 anos, e Daniel seguem internados, mas o quadro deles já é estável. A mulher recebeu duas facadas no peito e três na barriga. Daniel desferiu duas facadas na própria barriga e terá observação extra, já que a Justiça do Rio emitiu mandado de prisão para o homem.

Despedida

Considerado o maior documentarista do páis, Eduardo Coutinho foi enterrado às 16h30 desta segunda-feira, no Cemitério São João Batista, na Zona Sul do Rio, sob muitos aplausos de cerca de 300 amigos e admiradores. No momento do enterro, foi puxada a saudação "Companheiro Eduardo Coutinho, presente!'.

A cantora e compositora Adriana Calcanhotto, amiga e admiradora de Coutinho, disse, no velório, que costumava assistir aos filmes dele em sessões fechadas, antes das estreias, e que é fã do modo "de pensar e fazer cinema". "É único e original", afirmou.

Com Agência Estado

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade