Publicidade

Estado de Minas

Protestos de rua contra a Copa assustam políticos

Grupos que se manifestam contra o evento estão presentes nas 12 cidades sedes e contam com uma grande mobilização nas redes sociais. Parte deles é formada por universitários


postado em 28/01/2014 07:50 / atualizado em 28/01/2014 08:04

Manifestação em São Paulo contra a realização da Copa do Mundo no Brasil(foto: Miguel Schincariol / AFP)
Manifestação em São Paulo contra a realização da Copa do Mundo no Brasil (foto: Miguel Schincariol / AFP)

Criados há mais de três anos para cobrar das autoridades públicas mais investimentos e políticas voltadas à melhoria de vida da população, os 12 comitês populares contra a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil espalhados pelas cidades sede do evento, que ajudaram a impulsionar inicialmente as ruas do país em junho do ano passado, não conseguiram mobilizar mais do que 5 mil pessoas no último fim de semana. Em Brasília, por exemplo, foram menos de 100 participantes marchando pela W3. Apesar da baixa adesão neste começo de ano, os protestos preocupam novamente o governo brasileiro principalmente pela violência registrada em São Paulo, que teve pessoas feridas e carros incendiados. O Planalto teme a má repercussão das cobranças da sociedade, principalmente às vésperas da eleição presidencial, principalmente por conta da grande mobilização desses grupos nas redes sociais.

Diferentemente do público dos rolezinhos, composto basicamente por adolescentes da periferia que buscam espaço para diversão, os líderes dos manifestantes são moradores ou profissionais atingidos por políticas da Copa e estudantes com nível superior. Muitos se inspiram em manifestações recentes feitas pelo mundo, como a Primavera Árabe e os protestos contra o encontro da Organização do Comércio em Seattle (EUA), e se comunicam pela internet. Para tentar ganhar corpo e buscar apoio, mantêm diálogo com movimentos mais tradicionais, como os sem terra, indígenas, quilombolas e atingidos por barragens.

“Não são marginais ou baderneiros. É uma articulação nacional preocupada com os gastos públicos e o impacto social da Copa”, avalia o sociólogo e cientista político Rudá Ricci. Segundo ele, os políticos tiveram chance de se reunir para conversar com os integrantes do movimento, mas não o fizeram. “Tenho a impressão de que o medo do governo de que as manifestações quebrem a normalidade do processo eleitoral levem ao confronto. O Planalto está desesperado com essa ameaça no meio da uma disputa eleitoral”, afirma. Segundo ele, cerca de 12 mil famílias tiveram de deixar as suas casas para a execução de projetos da Copa.

A participação de black blocs nos atos não é vista com maus olhos pelos organizados das passeatas. Apesar de não integrarem os comitês contra o evento, os adeptos do uso da violência durante os protestos são tidos como “os que reagem contra a violência policial”. Para o integrante do comitê anticopa de Belo Horizonte Rafael Bittencourt, 26 anos, formado em sociologia, há “focos de violência” nas passeatas, mas isso não impede militantes pacíficos de protestar. “Parte dessa violência é uma resposta à repressão policial. O governo brasileiro teve tempo suficiente para contornar os impactos negativos do evento. Como não fizeram, existe um grande apelo negativo (por parte da população). Isso pode culminar em grandes manifestações que podem impedir o megaevento”, acredita.

Baixa adesão Integrante do comitê contra a Copa na capital federal, o militante Vinícius Lobão, 29 anos, formado em comunicação social, justifica que o movimento no sábado foi prejudicado em Brasília por uma série de motivos. Lobão destaca a falta de campanhas este ano, as pessoas viajando durante as férias de janeiro e a realização de um acampamento da juventude capitalista no Rio de Janeiro. Ele reafirma que os jovens vão às ruas porque são contrários aos lucros “astronômicos” para a Fifa e seus patrocinadores.

VIGÍLIA EM SÃO PAULO
Baleado pela Polícia Militar em uma rua na cidade de São Paulo por supostamente ter reagido a uma abordagem no sábado, Fabrício Chaves, de 22 anos, recebeu ontem o apoio de parentes e amigos na porta do hospital onde está internado em estado grave. Integrantes dos grupos que organizaram o protesto na capital paulista fizeram uma vigília e montaram uma barraca no local para auxiliar a família do rapaz. Os manifestantes expuzeram cartazes e faixas, criticando principalmente a ação policial. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, ele levou dois tiros: um no tórax e outro no pênis. O primeiro causou hemorragia e o segundo levou à retirada de um testículo. Segundo o hospital, o jovem passou por uma cirurgia e o estado de saúde é estável, apesar de grave. O secretário de Estado de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella, disse que os policiais reagiram a uma agressão do rapaz, que portava um estilete. (foto: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo SP)
Baleado pela Polícia Militar em uma rua na cidade de São Paulo por supostamente ter reagido a uma abordagem no sábado, Fabrício Chaves, de 22 anos, recebeu ontem o apoio de parentes e amigos na porta do hospital onde está internado em estado grave. Integrantes dos grupos que organizaram o protesto na capital paulista fizeram uma vigília e montaram uma barraca no local para auxiliar a família do rapaz. Os manifestantes expuzeram cartazes e faixas, criticando principalmente a ação policial. De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, ele levou dois tiros: um no tórax e outro no pênis. O primeiro causou hemorragia e o segundo levou à retirada de um testículo. Segundo o hospital, o jovem passou por uma cirurgia e o estado de saúde é estável, apesar de grave. O secretário de Estado de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella, disse que os policiais reagiram a uma agressão do rapaz, que portava um estilete. (foto: Daniel Teixeira/Estadão Conteúdo SP)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade