Publicidade

Estado de Minas

Delegados dão entrevista coletiva sobre o inquérito da boate Kiss


postado em 22/03/2013 14:28

O inquérito policial sobre o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, será entregue à Justiça na tarde desta sexta-feira. O documento, produzido durante mais de 50 dias de investigação, vai apontar possíveis responsáveis pela morte de 241 pessoas e as circunstâncias em que ocorreu a tragédia, em 27 de janeiro deste ano, durante uma festa universitária. Uma entrevista coletiva está marcada para as 14h30, no campus da Universidade Federal de Santa Maria, quando serão apresentados os resultados da investigação. A entrevista será transmitida ao vivo pelo site da Polícia Civil do Rio Grande do Sul.

Depois de ser recebido pela Justiça, o inquérito será encaminhado ao Ministério Público do Rio Grande do Sul. A expectativa é que os documentos cheguem às mãos dos promotores na segunda-feira (25). De acordo com a assessoria de imprensa do MP gaúcho, três promotores analisarão o inquérito sob as óticas criminal e cível. Um deles, o promotor Joel Dutra, informou que deve denunciar os responsáveis pelo incêndio por homicídio doloso qualificado %u2013 em que a pessoa assume o risco por sua atitude, mesmo sabendo que a conduta pode resultar em morte. Devem ser denunciadas as quatro pessoas que foram presas: os proprietários da boate, Elissandro Callegaro Spohr e Mauro Hoffman, o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos, e o produtor Luciano Augusto Bonilha Leão. Na avaliação de Dutra, os proprietários e os dois músicos agiram sem se importar com a segurança do público. Segundo ele, em outra fase, agentes públicos, a prefeitura e o estado também poderão ser denunciados.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade