Publicidade

Estado de Minas

Irmã de Bergoglio diz que ter um irmão papa é uma bênção


postado em 14/03/2013 20:22

Buenos Aires, 14 - A única irmã viva de Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, ex-arcebispo de Buenos Aires, María Elena Bergoglio, disse em entrevista ao Grupo Estado que ficou em estado de choque e chorou muito quando ouviu o anúncio que seu irmão era o mais novo Papa. "Ter um irmão que é Papa é uma bênção de Deus", afirmou. E disse que pelas imagens que viu do irmão, pela TV, ele tinha "uma expressão de plenitude".

Segundo ela, Bergoglio nunca demonstrou querer ocupar o cargo máximo da Igreja Católica. "Ele nunca se aprofundou nos motivos e não sei o que foi que o mudou agora. Mas seja feita a vontade de Deus", argumentou.

Ainda emocionada com a notícia que surpreendeu os argentinos na quarta-feira (13), Maria Elena afirmou que Bergoglio "ama" a cidade de Buenos Aires e poderia ter permanecido toda a vida nela. Ela o descreveu como uma pessoa que sempre se dedicou aos pobres, fracos, oprimidos, idosos e crianças. Órfãos de pai ainda quando eram crianças, a irmã do Papa disse que ele foi como um pai para ela. E que, apesar da distância física, ele sempre foi "presente e companheiro".

Ela também antecipou que não viajará a Roma para a posse do irmão, mas desejou forças ao Papa. Até o meio da tarde desta quinta-feira, ela ainda não havia conseguido comunicar-se com ele.

Jose Bergoglio, o filho de Maria Elena, sobrinho do Papa, explicou que a notícia foi um "choque" para todos. "Tive que me sentar quando ouvi o nome dele. Nos dá muito orgulho", contou. O papa argentino teve outros três irmãos, Alberto Horacio, Oscar Adrián e Marta Regina, que já morreram. Jose disse que a família esperava o regresso de Bergoglio no dia 23 de março para preparar as homilias da Semana Santa.

Namorada

O ex-cardeal de Buenos Aires teve uma namorada de infância para quem declarou o seu amor e jurou que se não se casasse com ela, se tornaria padre. Emocionada, a senhora Amalia, que era vizinha no local onde o Papa cresceu, no bairro de Flores, de classe média, recordou dele com muito carinho.

Amalia disse que Bergoglio lhe enviou uma carta, quando tinha uns 12/13 anos, com o desenho de uma casa com teto pintado de vermelho e as paredes brancas, e dizia que era a casinha que compraria para ela quando se cassassem. "Se não nos casamos, me torno padre", disse Bergoglio na carta usada para declarar o amor à colega da escola e vizinha.

"Meu pai me deu uma surra porque eu me atrevi a receber uma cartinha de um garoto. Depois do castigo, pedi que ele não se aproximasse mais", contou ternamente. Amalia ressaltou a vocação sacerdotal de Bergoglio e disse que quando o viu pela TV, levantou-se e disse: "Jorge te abraço, pelo carinho de toda uma vida". Amalia também expressou o desejo de que "ele nunca se afaste do caminho e que se lembre de suas raízes".


Publicidade