Publicidade

Estado de Minas

Jovem é condenada a 15 anos de prisão por matar namorado em motel

Verônica confessou ter enforcado o namorado com um cinto em um motel de Niterói em maio


postado em 25/11/2011 07:30 / atualizado em 25/11/2011 10:21

A jovem no dia em que se entregou chegando na delegacia no dia 16 de maio(foto: Paolla Serra / Agencia O Globo Niterói (RJ))
A jovem no dia em que se entregou chegando na delegacia no dia 16 de maio (foto: Paolla Serra / Agencia O Globo Niterói (RJ))

Foi condenada a 15 anos de prisão em regime fechado a estudante Verônica Verone, de 18 anos, por matar o namorado, o empresário Gabriel Rodrigues Barbosa, enforcado com um cinto em um motel de Niterói. Nessa quinta-feira, 19 testemunhas de acusação e de defesa foram ouvidas no julgamento que durou 12 horas e terminou por volta de 1h no 3º Tribunal do júri de Niterói.

A vítima morreu asfixiada no dia 14 de maio deste ano. Segundo o Ministério Público, o empresário teria ficado inconsciente após ingerir tranquilizantes e antidepressivos ministrados por Verônica. A acusada respondeu pelo crime de homicídio triplamente qualificado consumado - por motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. O juiz Peterson Barroso Simão, da 3ª Vara Criminal de Niterói, impronunciou Verônica pelo crime de ocultação de cadáver.

A jovem, confessou ter enforcado Fábio dentro de um quarto de motel em maio deste ano. A perícia realizada no corpo não constatou marcas de estrangulamento.

O julgamento

O juiz Peterson Barroso Simão, titular da 3ª Vara Criminal de Niterói, que condenou a estudante, destacou que a personalidade de Verônica "se mostrou distorcida e desregrada, com frieza e desvalor à vida alheia, não hesitando na prática da ilicitude". "Sua índole se revelou bastante negativa, e a maneira de agir e sentir demonstra a frieza de sua ação, havendo notícia de várias versões para o fato", escreveu na sentença.

O juiz Peterson Simão lembrou ainda que "as consequências do crime foram traumáticas para os familiares da vítima, tendo deixado filhos menores impúberes órfãos". Fábio morreu asfixiado e, segundo o Ministério Público, o empresário teria ficado inconsciente após ingerir tranquilizantes e antidepressivos ministrados por Verônica.

Verônica se descontrolou e teve que ser retirada do julgamento durante o depoimento da mãe. Ela chorou e pediu a presença da mãe.

Com Agência Estado


Publicidade