Publicidade

Estado de Minas

Transexuais e travestis são mais vulneráveis à exploração sexual, segundo Secretaria

%u201CA pessoa [transsexual] não é respeitada nem sequer admitida no seu seio familiar%u201D, assinala Juliana.


postado em 14/11/2011 15:56

Travestis e transexuais são maioria entre as pessoas que procuraram o Núcleo de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Nept) da Secretaria de Estado da Justiça de São Paulo. Entre os 154 atendimentos prestados pelo Nept neste ano, 110 foram para travestis ou transexuais. A coordenadora do órgão, Juliana Felicidade Armede, diz que esse “é um grupo de risco vulnerável” à exploração devido ao preconceito.

A situação é agravada, segundo Juliana, porque São Paulo tem uma série de fatores que contribuem para a exploração sexual. Entre os atendimentos do Nept neste ano, 117 foram referentes a esse tipo de abuso. Segundo ela, o estado tem uma malha rodoviária que possibilita a prostituição.

O grande movimento facilita, de acordo com a coordenadora, o aliciamento de pessoas de municípios do interior paulista, como Sorocaba, Campinas e Registro, e de de outras partes do país. “Temos pessoas vindo de outros estados.”

No caso de transexuais, São Paulo tem atrativos adicionais para esse grupo. Muitas vezes, essas pessoas não têm seus direitos respeitados nas regiões de origem. “A pessoa [transsexual] não é respeitada nem sequer admitida no seu seio familiar”, assinala Juliana.

Muitos transexuais que decidem se mudar para São Paulo se endividam com aliciadores para pagar as despesas de viagem. Sem família ou amigos, essas pessoas acabam sem ter a quem recorrer e são submetidas à prostituição para saldar as dívidas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade