Publicidade

Estado de Minas CHECAMOS

A foto de Cristina Kirchner recebendo vacina sem máscara é da campanha de gripe de 2013

Publicações denunciavam que a vice-presidente teria quebrado o protocolo da máscara, o que não é verdade


30/12/2020 17:39 - atualizado 01/01/2021 09:36

Horas antes de a Argentina iniciar a campanha de vacinação contra a covid-19, no dia 29 de dezembro, uma fotografia da atual vice-presidente, Cristina Kirchner, recebendo a vacina, começou a viralizar nas redes sociais. As publicações, compartilhadas milhares de vezes, denunciam que ela quebrou "todo tipo de protocolo", já que nem Kirchner nem a enfermeira vista na imagem usam máscaras ou luvas, medidas preventivas contra a covid-19. Mas na verdade a foto foi tirada durante a campanha de vacinação contra a gripe de 2013.

A imagem foi compartilhada no Facebook (1, 2, 3, 4),  no Twitter (1, 2) e o conteúdo foi enviado ao WhatsApp do AFP Checamos para verificação.  “A vice-presidente argentina é a primeira mulher a ser vacinada sem agulha, sem luvas e sem seringa, e também sem máscara. Nem a competente enfermeira nem ela. O Natal é mágico!!”,  dizem as publicações que começaram a circular poucas horas depois de o governo dar início à campanha de vacinação contra a covid-19 com a vacina russa Sputnik V.

A imagem também circulou em espanhol, inclusive com a hashtag “YoNoMeVacuno” (eu não me vacino). 

No entanto, uma busca reversa pela imagem revela que, na verdade, ela data de 2013. A própria Kirchner postou no Twitter em março daquele ano, durante a campanha de vacinação antigripal.

Hoy, recibiendo la vacuna antigripal, gratuita, de la Campaña Nacional de Vacunación que empezamos el martes pasado. pic.twitter.com/m6O4jYqKhU
— Cristina Kirchner (@CFKArgentina) March 22, 2013

Vários veículos de mídia argentina (1, 2) noticiaram a aplicação da vacina na então presidente do país (2007-2015).

O primeiro carregamento com 300.000 doses da Sputnik V chegou à Argentina de Moscou em 24 de dezembro. O acordo com a Rússia inclui mais 19,7 milhões de doses, que serão entregues entre janeiro e fevereiro, com opção de compra de mais cinco milhões. A Sputnik V é administrada em duas doses com um intervalo de 21 dias.

A Argentina aprovou a Sputnik V "em caráter emergencial" no dia 23 de dezembro, naquela que foi a primeira autorização recebida na América Latina para a vacina que já é aplicada na Rússia e na Belarus.

Com a vacina, em 29 de dezembro, a Argentina se tornou o quarto país da América Latina a iniciar a vacinação contra o covid-19, depois do México, da Costa Rica e do Chile, que aplicam a vacina do laboratório Pfizer.

Em resumo, a foto da vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, recebendo uma vacina é, na verdade, da campanha da gripe de 2013, e não está relacionada à vacinação contra a covid-19.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade