UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

EUA impõem novas sanções a oligarcas russos

Oito novos membros da "elite russa" e seus familiares terão ativos congelados nos Estados Unidos


03/03/2022 17:58 - atualizado 03/03/2022 19:00

Biden já tinha anunciado outras sanções contra empresários russos, membros do Kremlin e o presidente russo
Biden já tinha anunciado outras sanções contra empresários russos, membros do Kremlin e o presidente russo (foto: Anna Moneymaker / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP)

 

Os Estados Unidos impuseram nesta quinta-feira (3/3) novas sanções a oligarcas russos "que continuam apoiando o presidente Vladimir Putin apesar de sua brutal violência na Ucrânia", informou o governo de Joe Biden.


Oito novos membros da "elite russa" e seus familiares terão congelados seus eventuais ativos nos Estados Unidos e bloqueado o acesso ao sistema financeiro americano.

Tratam-se em particular de Alisher Usmanov, uma das pessoas mais ricas da Rússia e aliado próximo de Putin, e Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin e "um dos principais provedores da propaganda" do governo russo, informou a Casa Branca.

 

 


No caso de Usmanov, as medidas vão atingir "seu superiate, um dos maiores do mundo, e que acaba de ser confiscado pela Alemanha, e seu jato privado, um dos maiores aviões particulares da Rússia", segundo um comunicado.

Também foram sancionados Nikolai Tokarev, diretor-executivo da Transfnet, peso-pesado do setor do petróleo e gás; Boris e Arkady Rotenberg, dois irmãos de uma família considerada muito próxima a Putin; Serguei Chemezov, chefe do conglomerado da indústria petrolífera Rostec Defense; Igor Shuvalov, diretor do VEB, o banco de desenvolvimento russo; e Yevgeniy Prigozhin, outro amigo próximo do Kremlin.

Eles se somam às personalidades russas já sancionadas na semana passada pelos Estados Unidos, para alinhar a lista americana com as sanções da União Europeia, que desde a segunda-feira incluem vários destes nomes, informou à AFP uma fonte próxima ao tem.

Na semana passada, Washington anunciou sanções contra empresários russos, membros do Kremlin e o próprio presidente russo, Vladimir Putin. Mas a União Europeia acrescentou mais oligarcas à sua lista.

As novas medidas incluem os familiares diretos dos sancionados para evitar que eles transfiram suas propriedades a parentes.

Ao mesmo tempo, proíbe-se a entrada nos Estados Unidos de 19 oligarcas russos e 47 familiares destes, detalhou a Casa Branca, sem divulgar nomes.

Esta nova onda de medidas punitivas americanas ocorre em um momento em que vários destes bilionários estão sob pressão ou começam a se distanciar da guerra iniciada por Vladimir Putin na Ucrânia.

O presidente Biden prometeu na noite de terça-feira, durante o discurso no Congresso sobre o Estado da União, perseguir os "ganhos mal-intencionados" dos oligarcas russos e se apoderar de seus "iates, apartamentos de luxo e aviões privados".

Em coordenação com seus aliados europeus, Washington criou, assim, na quarta-feira, uma célula de investigadores encarregada de persegui-los e, possivelmente, apreender estes bens de luxo.

"Estes indivíduos enriqueceram às custas dos russos", "e são os encarregados de proporcionar os recursos necessários para apoiar a invasão da Ucrânia por parte de Putin", avaliou o Executivo americano.

"O Tesouro vai compartilhar sua inteligência financeira e outras provas, quando corresponder, com o Departamento de Justiça para apoiar os processos penais e as apreensões de ativos", destacou a Casa Branca.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade