UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Mudança climática: próxima aposta de Biden em um Congresso de apertada maioria?


25/01/2022 15:04

Depois de acumular decepções no Congresso americano, o democrata Joe Biden poderia apostar em um projeto climático para tentar matar dois coelhos com uma cajadada só: salvar o planeta... e sua presidência.

Na semana passada, o presidente dos Estados Unidos anunciou que seu governo estava fazendo esforços para ressuscitar o componente climático de seu gigantesco projeto de lei de gastos sociais, enterrado pelo Senado.

Esse plano inclui US$ 555 bilhões para cumprir as metas bastante ambiciosas de Biden sobre as emissões de gases de efeito estufa. Trata-se da maior previsão de investimento climática já vista nos Estados Unidos.

"Falei com vários dos meus colegas do Congresso (...) Acho que podemos ter apoio" para esse projeto, disse o presidente em uma entrevista coletiva.

Imediatamente, os congressistas democratas começaram a ativar a estratégia nos bastidores.

- Carros elétricos -

A aposta de Joe Biden é ousada.

A cada ano que passa, os Estados Unidos poderão ser atingidos por inundações mortais e incêndios devastadores, mas o clima ocupa um lugar muito baixo na lista de preocupações das famílias americanas - muito atrás da inflação, ou da pandemia do coronavírus.

Para conseguir apoio para seu programa climático, a Casa Branca garante que o texto pretende encher as carteiras dos americanos.

Em vez de sanções aos poluidores, os US$ 555 bilhões se destinam a mudar a economia do país para fontes de energia limpa, começando com importantes créditos fiscais para produtores e consumidores de energia eólica, solar e nuclear.

Para a compra de um carro elétrico fabricado nos Estados Unidos, por exemplo, um cidadão receberia até US$ 12.500 em créditos fiscais. Se decidir instalar um painel solar no telhado de sua casa, terá uma cobertura de 30%.

Sem este projeto climático, "não há dúvida de que será muito mais difícil para os Estados Unidos alcançarem seus objetivos" da COP, a conferência anual do clima da ONU, disse a vice-presidente nos Estados Unidos do World Resources Institute, Debbie Weyl.

Por enquanto, porém, os democratas podem contar apenas com os votos de suas fileiras. Os republicanos já manifestaram sua oposição ao projeto.

Uma porta-voz da senadora Lisa Murkowski, uma das vozes moderadas no campo conservador, disse à AFP que ela não poderia apoiar o texto como está, lamentando um processo "ultrapartidarista" que "prejudica de forma deliberada" seu estado, o Alasca, altamente dependente dos combustíveis fósseis.

- Equação de Manchin -

A maioria de Biden no Senado é tão apertada que o futuro desta legislação está nas mãos de um único senador democrata: Joe Manchin, eleito pela Virgínia Ocidental, um dos estados conhecidos pela exploração de minas de carvão.

Alguns grupos de mineradores de seu estado se manifestaram a favor da proposta climática do presidente, que inclui ajuda para pessoas que sofrem de uma doença pulmonar grave causada pela inalação de pó de carvão.

O senador, que já enterrou os últimos projetos legislativos de Biden, vem-se opondo repetidamente ao que considera como projetos de gastos exagerados. Ele alega que estes gastos poderão aumentar a inflação, da qual seus eleitores tanto se queixam.

Uma solução pode ser chegar a um compromisso entre os democratas em torno de um investimento que não seja tão nas alturas.

"Tenho certeza de que os democratas vão aprovar este ano um projeto de lei sobre o clima, reduzido, mas ainda assim substancial", disse à AFP Paul Bledsoe, conselheiro climático do então presidente democrata Bill Clinton (1993-2001).

"Se não fizerem isso, os eleitores vão puni-los", completou.

Os democratas têm apenas alguns meses para agir antes das eleições de meio de mandato (as "midterms"), nas quais podem perder suas já ínfimas maiorias nas duas Casas do Congresso. Uma mudança nesta composição tornaria qualquer avanço em iniciativas democratas no Legislativo muito mais difícil e arrastado.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade