UAI
Publicidade

Estado de Minas GUAYAQUIL

Equador: militares reforçam em presídio após rebelião com 68 mortes

Penitenciária Guayas 1, em Guayaquil, tinha sido palco, em setembro, do maior massacre do tipo na América Latina, com 119 detentos mortos em motim


14/11/2021 14:46 - atualizado 14/11/2021 15:48

tanques em frente a presídio no Equador após rebelião que matou ao menos 68 detentos
Penitenciária de Guayas 1 tem 8.500 detentos e uma superlotação de 60% (foto: Fernando Mendez/AFP)

Militares armados com fuzis e escopetas aumentaram neste domingo (14/11) a segurança no perímetro externo da penitenciária de Guayaquil, em apoio às forças policiais, após a  rebelião que deixou 68 presos mortos e mais de 20 feridos  no Equador.

Na penitenciária de Guayas 1, que tem 8.500 detentos e uma superlotação de 60%, presos de outros blocos atacaram com armas de fogo e explosivos, na madrugada de sexta para sábado, o pavilhão 2, deixando ao menos 68 mortos e 28 feridos, segundo as autoridades.

No sábado (13/11), a violência se estendeu para outros blocos, mas sem que houvesse registro de novas vítimas. O porta-voz da Presidência do Equador, Carlos Jijón, encerrou o dia informando que a situação estava "controlada em toda a Penitenciária" com a intervenção de 900 policiais.

Pior massacre da América Latina

Em setembro, a mesma prisão foi cenário de um dos piores massacres carcerários da América Latina, com 119 detentos mortos.

militar atrás de uma barreira de grades conversa com morador de Guayaquil em frente ao presídio onde 68 detentos morreram
Violência no presídio do Equador tem se agravado desde o massacre de setembro (foto: Fernando Mendez/AFP)


Desde então, a violência não cessou no complexo penitenciário devido a uma guerra entre facções rivais vinculadas aos cartéis internacionais do narcotráfico, que disputam o poder dentro e fora das prisões, e que já deixou mais de 200 mortos até agora.

Estado de emergência

Os militares foram mobilizados para apoiar a polícia no controle do sistema penitenciário do país, após a declaração do estado de emergência.

Contudo, eles não têm autorização para entrar nas penitenciárias, depois que o Tribunal Constitucional limitou o estado de exceção ordenado pelo presidente conservador Guillermo Lasso para tentar restabelecer a ordem nas prisões do país.

cartaz branco com letras vermelhas preso em grade pede Justiça em frente a presídio do Equador onde 68 detentos morreram
Parentes de detentos protestaram em frente à penitenciária pedindo investigação da violência (foto: Fernando Mendez/AFP)


Além de Guayas 1, a presença militar foi ampliada para outras penitenciárias do país, com base no estado de emergência.

As Forças Armadas "intensificam as operações de segurança complementares no entorno do Centro de Reabilitação Social Masculino do cantão de Machala, com o objetivo de manter a ordem e o controle do centro carcerário, garantindo a segurança da população", escreveu neste domingo no Twitter o Comando Conjunto da instituição.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade