UAI
Publicidade

Estado de Minas #PRAENTENDER

Entenda quais pautas climáticas avançaram na COP-26

Apesar do encontro de líderes globais, ativistas dizem que medidas para tentar conter a emissão de gases poluentes anunciadas em Glasgow são insuficientes


13/11/2021 04:00 - atualizado 12/11/2021 20:06

Copa de árvore sobre texto 'As promessas da COP-26'
COP-26, na Escócia, foi marcada por muitas promessas e críticas (foto: Arte EM)
Líderes e representantes de 196 países reunidos na Escócia para a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP-26) discutiram entre o fim de outubro e esta semana metas e ações que afetarão a sociedade, o meio ambiente e a economia mundial nos próximos anos. Fizemos este vídeo #PraEntender quais pautas climáticas avançaram em Glasgow.


Mais de 100 chefes de Estado e de governo se comprometeram a cessar o desmatamento até 2030, apesar de muitos não detalharem como isso seria possível e as ações ficarem apenas no campo das promessas. Também foram anunciados planos para emitir 30% menos metano, o segundo gás responsável pelo efeito estufa, atrás apenas do CO2.

Quase 50 países prometeram parar de usar carvão para produzir energia elétrica e centenas de entidades financeiras privadas ofereceram bilhões de dólares em créditos. O encontro era para ter ocorrido em novembro de 2020, mas devido ao aumento de casos de COVID-19 na Europa, a COP-26 foi remarcada para este ano. 

Discurso x realidade no Brasil

O governo brasileiro assinou acordos multilaterais na COP-26 contra o devastação da floresta, prometeu zerar o desmate ilegal até 2028 e reduzir as emissões de metano. Mas o discurso segue na contramão da realidade ambiental. O Brasil continua a bater recordes nos índices de desmatamento da Amazônia.

foto aérea mostra floresta no Amazonas em chamas, em setembro de 2020
Brasil desmatou 877 quilômetros quadrados de floresta na Amazônia em outubro. Alta de 5% sobre 2020 (foto: Joshua Howat Berger/AFP)


Dados divulgados nessa sexta (12/11) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão do Ministério de Ciência e Tecnologia, apontam que a área de alertas de  desmatamento de outubro foi a maior para o mês nos últimos sete anos.

Foram 877 quilômetros quadrados de devastação da floresta na Amazônia, um aumento de 5% em relação a outubro de 2020 e o maior índice no mês em toda a série histórica do Deter, sistema de alertas do Inpe, iniciado em 2016.

Última oportunidade

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, acredita que o encontro deste ano tenha sido a última oportunidade para “virar a maré”. O trocadilho usado por Guterres diz respeito ao aumento no nível do mar devido ao derretimento das calotas polares. Uma consequência, já comprovada, do aumento da temperatura do planeta, o que pode gerar inundações em muitos países.

O relatório divulgado em 9 de agosto pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) mostrou que a temperatura da superfície global da Terra subiu 1,09 %u2103  entre o período de 1850 a 2010, o que é 0,29 %u2103 mais quente do que o constatado no estudo anterior do IPCC, divulgado em 2013.

manifestantes em Glasgow, na Escócia, sede da COP-26, mostra a expressão Stop Climate Crime
Protesto contra uso de combustíveis fósseis durante a COP-26 em Glasgow, na Escócia (foto: Andy Buchanan/AFP)


Na última semana de outubro, foi divulgado um outro alerta pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. O relatório de 2021 sobre a Lacuna de Emissões mostrou que as novas promessas climáticas apresentadas pelos países, combinadas com outras medidas de mitigação, não seriam suficientes para o quadro atual de emergência e não evitariam um aumento da temperatura global de 2,7°C até o fim do século. 

Segundo as Nações Unidas, um aumento de temperaturas dessa magnitude pode significar um aumento de 62% nas áreas queimadas por incêndios florestais no Hemisfério Norte durante o verão, a perda de habitat de um terço dos mamíferos no mundo e secas mais frequentes, durando entre quatro e 10 meses.

Críticas aos participantes

Apesar das conversas entre os líderes mundiais, a ativista sueca Greta Thunberg criticou a cúpula, dizendo que cortes “imediatos e drásticos” nas emissões de carbono são necessários. “Não é segredo que a COP-26 é um fracasso, deveria ser óbvio que não podemos solucionar uma crise com os mesmos métodos que nos colocaram nessa situação. E cada vez mais pessoas estão percebendo isso”, disse Thunberg em uma manifestação em Glasgow.

foto mostra a jovem líder indígena Txai Suruí usando roupas e adereços típicos de sua etnia
A jovem Txai Suruí foi a única indígena da América Latina e única brasileira a discursar na COP-26 (foto: Photo by Paul Ellis/AFP)


Txai Suruí, de 24 anos, foi a única indígena da América Latina e única brasileira a discursar na abertura da COP-26 . Filha do cacique Almir Suruí e da indigenista Neidinha Suruí, a jovem nasceu em Rondônia e destacou em seu discurso no evento de Glasgow a necessidade dos povos originários do Brasil participarem das decisões sobre mudanças climáticas. “Os líderes precisam saber que o que estamos vivendo na Amazônia também é responsabilidade deles”, afirmou.


Promessas de pouco impacto

A ONU avaliou que os novos compromissos de combate às mudanças climáticas anunciados na COP dificilmente mudam a trajetória atual do planeta. Segundo a diretora executiva do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Inger Andersen, apesar de algumas contribuições, como a promessa de diminuição de gases de efeito estufa, a realidade é que o esforço é pouco frente ao necessário para o planeta.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade