UAI
Publicidade

Estado de Minas PREÇOS ABUSIVOS

OMS alerta que 30 milhões de diabéticos não têm acesso à insulina

Preços altos impedem que muitos portadores da doença obtenham o hormônio; descobridores da insulina venderam seus direitos por 1 dólar canadense, há um século


12/11/2021 13:05 - atualizado 12/11/2021 16:14

Aplicação de insulina
90% do mercado de insulina é controlado por apenas três grupos farmacêuticos: Eli Lilly, Novo Nordisk e Sanofi (foto: Peter Stanic/Pixabay)

Dezenas de milhões de diabéticos não conseguem obter a insulina de que precisam, alertou a OMS nesta sexta-feira (12), pedindo preços mais baixos e melhor acesso.

Atualmente, mais de 420 milhões de pessoas sofrem de diabetes em todo o mundo, número que quase quadruplicou nos últimos 40 anos, lembra a Organização Mundial de Saúde.

Apesar da oferta abundante "há problemas de acesso aos cuidados de saúde no mundo e principalmente nos países de baixa renda", disse Kiu Siang Tay, que trabalha diretamente com o tema na OMS, durante uma coletiva de imprensa.

Os preços altos impedem que muitos diabéticos tenham acesso ao valioso hormônio para controlar sua doença, especialmente em países de baixa e média renda, mas também onde os preços são mal regulamentados, como nos Estados Unidos.

A insulina é um hormônio que regula os níveis de glicose (açúcar) no corpo e é o principal tratamento para o diabetes tipo 1 (devido a uma deficiência na produção de hormônios no pâncreas) ou tipo 2, geralmente em pessoas com sobrepeso.

A insulina, descoberta há um século por pesquisadores canadenses, permite que 9 milhões de portadores do tipo 1 controlem uma doença que já foi fatal e 60 milhões de pessoas com tipo 2 reduzam os riscos de cegueira e amputação.

Os descobridores da insulina, Frederick Banting e John Macleod, venderam seus direitos por um dólar canadense para facilitar o acesso.

"Infelizmente, este gesto de solidariedade foi substituído por uma indústria de bilhões de dólares e que criou os obstáculos de acesso", sublinhou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Embora os 9 milhões de pacientes do tipo 1, cuja sobrevivência depende da insulina, tenham acesso ao hormônio, apenas metade dos 63 milhões de pacientes do tipo 2 conseguem medicamento.

A OMS identificou vários obstáculos, como a mudança para a insulina sintética, que é pelo menos 1,5 vezes mais cara do que a insulina humana. Além disso, 90% do mercado é controlado por apenas três grupos farmacêuticos (Eli Lilly, Novo Nordisk e Sanofi).

Os preços são mal regulados e não são transparentes. As redes de abastecimento são frágeis e as infraestruturas de saúde são frequentemente mal adaptadas.

As pesquisas também estão mais focadas em mercados ricos, quando 80% dos diabéticos estão em países de baixa ou média renda.

A OMS recomenda que a produção de insulina de origem humana seja aumentada, assim como o número de produtores de equivalentes sintéticos. Desta forma, seria possível reduzir os preços.

As Nações Unidas também recomendam a regulamentação dos preços, a fabricação local em regiões de menor atendimento e facilitação do acesso a ferramentas de diagnóstico e medição da glicose no sangue.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade