UAI
Publicidade

Estado de Minas WASHINGTON

Câmara dos EUA vota pela suspensão do teto da dívida, mas iniciativa corre risco no Senado


21/09/2021 23:51

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta terça-feira (21) um projeto de lei que permite suspender o teto da dívida do país e financiar o governo após 30 de setembro, mas o texto está fadado ao fracasso no Senado.

A proposta, apoiada pelos democratas, foi aprovada na Câmara, com 220 votos a favor e 211 contra, todos republicanos.

O texto prevê estender o orçamento do governo até dezembro, depois de 30 de setembro, quando termina o ano fiscal americano.

Se nenhuma lei de financiamento for aprovada até então, os serviços estaduais federais ficarão sem fundos. É a famosa ameaça de "shutdown", ou paralisação, que marca regularmente a política americana.

Mas desta vez o projeto de lei propõe suspender o teto da dívida, até dezembro de 2022.

O governo Biden não para de alertar há semanas para o risco de uma "crise financeira histórica" se o limite não for levantado ou suspenso.

Pelos cálculos atuais, os Estados Unidos não conseguirão honrar seus compromissos financeiros de a partir de meados ou final de outubro. O que poderia causar um cataclismo financeiro global.

Embora todos no Congresso desejem evitar esse horizonte sombrio, os dois partidos diferem radicalmente sobre como evitá-lo.

Os democratas exortam os republicanos a aprovar a suspensão da dívida. Enquanto isso, os republicanos dizem que não apoiarão esse tipo de medida porque, segundo eles, serviria para financiar os gigantescos projetos de investimento almejados por Joe Biden.

Os democratas não têm maioria suficiente no Senado para adotar o texto aprovado nesta terça-feira na Câmara sem os adversários políticos.

Os republicanos indicaram que poderiam apoiar a extensão do orçamento até dezembro, bem como medidas de alívio, desde que sejam deduzidas da dívida.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade