Publicidade

Estado de Minas BOGOTÁ

Milhares de colombianos pressionam governo e Congresso diante de novo plano tributário


20/07/2021 23:46 - atualizado 20/07/2021 23:49

Milhares de pessoas protestaram novamente nesta terça-feira (20) na Colômbia contra o presidente Iván Duque, que apresentou ao Congresso uma versão revisada do plano tributário que originou as manifestações sociais.

"Espero que este Congresso finalmente comece a legislar em favor dos interesses de todo o povo colombiano e não apenas de um grupo de indivíduos que está enriquecendo", disse à AFP o dentista Iván Chaparro, de 46 anos, ao entrar no meio de uma grande marcha no centro de Bogotá.

O ministro do Interior, Daniel Palacios, disse, em uma declaração à imprensa no fim da tarde, que "a manifestação pacífica prevaleceu sobre os atos de violência".

O governo registrou 195 protestos em 95 municípios. Confrontos entre a polícia de choque e manifestantes armados com escudos e facões deixaram uma dezena de civis feridos em Medellín e Cali. De acordo com a polícia, 21 homens uniformizados ficaram feridos, um deles no olho.

O Comitê Nacional de Paralisação, que é o maior grupo de manifestantes, embora não represente todos os setores insatisfeitos, convocou esta nova mobilização durante o feriado nacional, após mais de um mês de pausa.

Os manifestantes, que saíram às ruas agitando a bandeira colombiana de cabeça para baixo e gritando em conjunto contra o governo, exigem uma reforma policial e um Estado mais solidário diante da devastação causada pela pandemia, que elevou a pobreza a 42% neste país de 50 milhões de habitantes habitantes.

Formado por estudantes, indígenas e organizações sociais, o comitê havia suspendido as mobilizações no dia 15 de junho, mas voltou às ruas no Dia da Independência da Colômbia com o objetivo de levar suas reivindicações ao Congresso.

Os pedidos do comitê serão apresentados "ao Congresso porque o governo não quis negociar", explicou Fabio Arias, líder da Central de Unidade dos Trabalhadores, à W Radio.

- Implementação policial e militar -

Cerca de 5 mil pessoas se reuniram em diferentes partes de Bogotá e marcharam enquanto cantavam, dançavam e levavam bandeiras colombianas de cabeça para baixo em direção à praça central de Bolívar, porém a força pública bloqueou o caminho para o Congresso e a sede presidencial.

"Estamos na luta pela reivindicação de nossos direitos contra a saúde, a educação, a não violência", afirmou a professora Noelia Castro, de 30 anos, na capital.

A mobilização ocorre em um ambiente bombardeado por reclamações governamentais sobre suposta infiltração de grupos armados nos protestos, prisões de manifestantes e advertências das autoridades sobre um possível aumento de mortes e casos de covid-19 em um momento em que o país deixa para trás a pior onda da pandemia.

Segundo o Ministério da Defesa, mais de 53 mil policiais e 36 mil militares vigiaram as manifestações em todo o país, dada a aparente participação de guerrilheiros do ELN e dissidentes das FARC nas marchas.

Mais de 60 pessoas morreram e milhares ficaram feridas desde o início das manifestações em 28 de abril, segundo o Ministério Público e as autoridades civis.

- Brutalidade policial -

O que começou como uma manifestação contra um plano governamental fracassado de aumento dos impostos da classe média foi reavivado pela repressão policial, criticada pela comunidade internacional.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que visitou o país em meio aos protestos, denunciou a resposta das forças de segurança como "desproporcional" e "letal".

Por sua vez, a ONG Human Rights Watch acusa as forças de segurança de estarem envolvidas em pelo menos 20 homicídios durante os protestos e garante que 16 das vítimas foram baleadas por agentes do Estado com a intenção de "matar".

Embora tenha admitido casos de violência policial, o governo contesta os números.

"Não se pode ficar indiferente à injustiça, ao assassinato de estudantes por protestar (...) que são atacados como se fossem terroristas", ressalta a professora Jeanneth Gómez, de 59 anos, em Bogotá.

- Reforma sob pressão -

Duque enfrenta um inédito movimento de protestos desde 2019 e, desde então, milhares de pessoas se manifestaram nas ruas em alguns intervalos de tempo.

A um ano de deixar o poder e com um nível de impopularidade de 76%, Duque inaugurou na manhã desta terça-feira o trabalho da nova legislatura, que terá a difícil tarefa de discutir uma nova reforma tributária.

"Ouvimos as vozes nas ruas e elas devem alimentar os debates, mas vocês são chamados pela história para serem os porta-vozes de um país em plena transformação", anunciou Duque ao Congresso durante a cerimônia de posse.

Desta vez, o Executivo renunciou aos pontos mais polêmicos e propôs arrecadar 3,9 bilhões de dólares, uma redução substancial em relação à iniciativa de US$ 6,3 bilhões que desencadeou a revolta popular e custou o cargo do então Ministro da Fazenda.

No fim do dia, Duque presidiu um desfile militar sem público devido à pandemia em comemoração da festa nacional.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade