Publicidade

Estado de Minas BAMAKO

Consequências regionais pouco claras após morte de Déby no Chade


22/04/2021 12:51

Após a morte de Idriss Déby Itno, o influente presidente do Chade, analistas e atores de conflitos vizinhos estão preocupados com as consequências da mudança de liderança neste país-chave entre a região do Sahel, a África Central e o Mediterrâneo.

Déby tinha um "peso indiscutível" no Sahel, comentou à AFP Musa Ag Asharatuman, chefe de um grupo armado ativo no norte do Mali, em conflito, que está inquieto: "Khadafi morreu e isso provocou suas consequências - chegada maciça ao Sahel de armas e combatentes com o caos líbio - (...) Vamos torcer para que algo assim não aconteça no Chade!".

No poder por três décadas, o líder chadiano acabou se tornando um peão essencial no complexo tabuleiro de xadrez africano. Interveio, pessoalmente ou através do seu exército - considerado um dos mais preparados do continente - em diversos conflitos nos países vizinhos.

O futuro deste exército, no centro do sistema político chadiano e no poder graças à criação de um Conselho Militar de Transição (CMT), é motivo de preocupação.

Sua estabilidade "será o aspecto mais importante", segundo Musa Ag Asharatuman, para que o equilíbrio precário do 'enclave' chadiano em uma região muito conturbada possa ser mantido.

Tanto na região do Sahel quanto na África Central, o Chade e suas forças armadas são um pilar no qual parceiros e Estados se apoiam.

"Quando o Boko Haram (um grupo extremista islâmico presente no Chade, Níger e Camarões) se tornou pernicioso, o presidente Déby tomou a decisão de enfrentá-lo", lembra Severin Tshokonté, um acadêmico camaronês, para quem sua morte será um símbolo do "relaxamento na luta".

Quando a ameaça é interna, N'Djamena nunca escondeu que as implantações externas ficam em segundo plano.

No início de 2020, Déby trouxe de volta seus 1.200 soldados posicionados sob o comando de uma força anti-jihadista sub-regional, o G5 Sahel, para enfrentar um ataque extremista no Lago Chade.

Mas, um ano depois, eles chegaram ao Níger. Sob a bandeira da ONU, cerca de 1.400 soldados chadianos participaram da MINUSMA, a missão no Mali. Que futuro esses soldados têm enquanto o futuro político do Chade é nebuloso?

Ouve-se o estalar de botas, embora não confirmado por N'Djamena, na zona da "tríplice fronteira", entre o Mali, o Níger e o Burkina Faso.

Mas no Chade, muitos dizem que seus soldados voltarão apenas dois meses após a partida.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade