Publicidade

Estado de Minas ALASCA

Vacina da Pfizer: profissional de saúde tem reação alérgica nos EUA

A mulher não tinha histórico de alergia e continua internada, mas estável; o caso está sendo investigado


16/12/2020 22:14 - atualizado 16/12/2020 22:41

O caso é o primeiro a ser registrado entre pessoas não alérgicas(foto: EFE/EPA/MORRY GASH / POOL)
O caso é o primeiro a ser registrado entre pessoas não alérgicas (foto: EFE/EPA/MORRY GASH / POOL)
A vacina da Pfizer/BioNTech, que começou a ser aplicada nos Estados Unidos, registrou o primeiro caso negativo. Uma profissional de saúde, com idade não informada, que foi vacinada na cidade de Juneau, capital do Alasca, teve uma reação alérgica grave logo após o procedimento e precisou ser hospitalizada. 

Segundo informações do jornal The New York Times, a profissional foi vacinada no segundo dia da campanha de vacinação contra a COVID-19 e não tinha histórico de alergia. Foi constatado que a mulher teve uma reação anafilática dez minutos depois de ter recebido o imunizante. 

A mulher apresentou rubor da pele e falta do ar e foi submetida a um tratamento com epinefrina, medicamento utilizado em casos de reações alérgicas graves. Até o último boletim das autoridades de saúde americanas, a profissional de saúde permanecia internada em observação e estável.
 
 
De acordo com a médica Lindy Jones, diretora do departamento de emergência do Hospital Regional Bartlett, para onde a paciente foi levada, os sintomas desapareceram após a mulher receber os devidos medicamentos. Disse ainda que a paciente “está saudável e bem” e que ela não se arrepende de ter sido vacinada contra a COVID-19.

A reação alérgica da profissional de saúde dos Estados Unidos é parecida com a dos pacientes vacinados no Reino Unido que também tiveram reações anafiláticas. Todos se recuperaram, mas os casos serviram de alerta para as autoridades britânicas sobre a segurança da vacina da Pfizer.

O caso é o primeiro entre pessoas não alérgicas. No Reino Unido, duas pessoas tiveram reações alérgicas fortes após a vacinação, mas elas já tinham histórico alérgico.
 
 
RECOMENDAÇÃO

Na última quarta-feira (9), um dia após o país ter iniciado a campanha de vacinação, a MHRA (Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido) recomendou que pessoas com alergias excessivas não deveriam receber a vacina.

A Pfizer comunicou ao New York Times que a vacina vem com a informação que pode ser necessária uma intervenção médica em casos de reações anafiláticas. O laboratório disse ainda que os casos são raros e que está investigando o caso ocorrido no Alasca.
 
*Estagiário sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade