Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Justiça da Bolívia determina prisão de ex-ministro por compra irregular de respiradores

Comandante do ministério da Saúde boliviano, Marcelo Navajas ficará detido por três meses


postado em 24/05/2020 21:31 / atualizado em 24/05/2020 21:58

Marcelo Navajas foi demitido pela presidente Jeanine Áñez por ter autorizado as compras(foto: AIZAR RALDES / AFP)
Marcelo Navajas foi demitido pela presidente Jeanine Áñez por ter autorizado as compras (foto: AIZAR RALDES / AFP)
A Justiça da Bolívia ordenou neste domingo a prisão preventiva de um ex-ministro da Saúde e de outras autoridades área pela compra superfaturada de respiradores para pacientes com coronavírus.


O ex-ministro Marcelo Navajas ficará detido por três meses, enquanto outros três condenados ficarão por um período de seis.


Após uma audiência que durou quase 12 horas e terminou ao amanhecer no domingo, o juiz responsável pelo caso também decidiu manter em prisão domiciliar duas funcionárias do Ministério da Saúde que estavam relacionadas a essa compra.


Rosario Canedo, advogada de Navajas, alertou que seu cliente sofre de uma doença cardíaca grave e que sua permanência na prisão representa um risco para sua vida.


Navajas foi demitido na quarta-feira passada pela presidente Jeanine Áñez, depois que foi revelado que autorizou a compra de 170 respiradores para enfrentar a pandemia que não eram adequados para unidades de terapia intensiva dos hospitais bolivianos.


Além disso relatórios subsequentes indicaram que o equipamento de fabricação espanhola foi adquirido por valores superfaturados, a um preço unitário de 27.683 dólares, quando outras empresas os oferecerem por valores entre 10.312 e 11.941 dólare.


Esse escândalo está registrado no meio de uma expansão da COVID-19 na Bolívia, que até o momento registra 5.915 pessoas infctadas e 240 mortes.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade