Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

Argentina desenvolve teste rápido para detectar coronavírus

A Argentina, que mantém uma quarentena obrigatória desde 20 de março, registrou 353 mortes em um total de 7.134 infectados


postado em 15/05/2020 20:55 / atualizado em 15/05/2020 21:53

Presidente argentino Alberto Fernández(foto: ESTEBAN COLLAZO / ARGENTINIAN PRESIDENCY / AFP )
Presidente argentino Alberto Fernández (foto: ESTEBAN COLLAZO / ARGENTINIAN PRESIDENCY / AFP )
O governo da Argentina apresentou nesta sexta-feira (15) um teste rápido para a detecção de coronavírus desenvolvido nacionalmente que permite um resultado em duas horas.


Os primeiros testes serão produzidos durante os próximos 10 dias e é projetada uma produção que permitirá 200.000 testes mensais.


É um teste do tipo molecular rápido, sensível, de baixo custo e fácil de operar, conforme anunciado.


"Isso vale ouro porque nos dá o direito de agir por nós, nós o produzimos e é para o nosso povo", disse o presidente Alberto Fernández ao apresentar o teste junto aos ministros da Ciência e Tecnologia, Roberto Salvarezza e Saúde, Ginés González Garcia.


O exame foi desenvolvido por cientistas da Conicet, a agência estadual de ciência e técnica, em colaboração com um laboratório argentino.


O chamado "Neokit-COVID-19" permite obter resultados em menos de 2 horas com sensibilidade semelhante às técnicas atuais que requerem cerca de 12 horas em laboratório.


"Isso foi feito por pesquisadores argentinos e produzido por um laboratório argentino, isso é tão importante para o desenvolvimento de um país, porque mostra que não dependemos de outros, que podemos fazê-lo, isso é soberania, e é isso que todos devem entender" Fernández declarou durante o anúncio na residência de Olivos.


O desenvolvimento foi concluído em um mês e meio de pesquisa e o custo de produção de cada kit foi estimado em 8 dólares, conforme necessário.


"Este teste é facilmente aplicável e há uma redução significativa no custo operacional", acrescentou.


O ministro da Ciência destacou as economias que a produção própria representa em comparação com a importação de testes.


"Vamos garantir que ele esteja disponível primeiro para o país e depois pensaremos em exportá-lo", afirmou o ministro da Ciência.


É a segunda conquista científica em relação ao coronavírus que apresentada pela Argentina nas últimas semanas.


A anterior foi um teste para medir os anticorpos contra o coronavírus.


A Argentina, que mantém uma quarentena obrigatória desde 20 de março, registrou 353 mortes em um total de 7.134 infectados.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade