Publicidade

Estado de Minas CRISE ECONÔMICA

LATAM demitirá 1.400 funcionários em Chile, Colômbia, Equador e Peru

No Brasil, empresa não anunciou corte de pessoal


postado em 15/05/2020 20:55 / atualizado em 15/05/2020 22:00

No Brasil, Latam não anunciou corte de pessoal(foto: Tânia Têgo/Agência Brasil)
No Brasil, Latam não anunciou corte de pessoal (foto: Tânia Têgo/Agência Brasil)
A companhia aérea chileno-brasileira LATAM Airlines anunciou nesta sexta-feira (15) que demitirá 1.400 funcionários de suas filiais em Chile, Colômbia, Equador e Peru, como resultado da drástica redução de suas operações devido à pandemia do novo coronavírus.


"Apesar de todos os esforços que temos feito para cuidar dos empregos, nos vemos obrigados a tomar esta difícil decisão. Os impactos da COVID-19 são profundos e é inevitável reduzir o tamanho do grupo LATAM para proteger sua sustentabilidade no médio prazo", disse o diretor-executivo da companhia, Roberto Alvo, em comunicado divulgado pela empresa.

Em abril, a LATAM Airlines tinha anunciado uma diminuição de 95% de suas operações.


Antes do lançamento do comunicado desta sexta-feura, circulava na mídia local um vídeo corporativo no qual a Alvo anunciava a decisão aos 43.000 trabalhadores da empresa.

 

"Infelizmente, chegamos à conclusão de que não temos outra opção a não ser começar a diminuir o grupo e isso significa, entre outras coisas, que teremos que deixar algumas pessoas que trabalham conosco", declarou o diretor na gravação.

 

A companhia aérea, que surgiu da fusão da LAN chilena e da TAM brasileira, voava para 145 destinos em 26 países antes da pandemia e teve presença direta na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador e Peru.

 

Operava aproximadamente 1.400 voos diários, transportando mais de 74 milhões de passageiros po ano.

 

Essa decisão faz com que seja uma das primeiras companhias aéreas a anunciar demissões em massa.

 

A Avianca da Colômbia, a segunda maior companhia aérea da América Latina, pediu neste domingo falência nos Estados Unidos para reorganizar sua dívida "devido ao impacto imprevisível da pandemia" em seus negócios.

 

Em todo o mundo, a indústria da aviação sofreu um forte golpe do coronavírus, sendo diretamente afetada pelo confinamento e fechamento de fronteiras.

 

Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), as companhias aéreas da América Latina perderão 15 bilhões de dólares em receita este ano, na pior crise da história do setor.


 



 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade