Publicidade

Estado de Minas

Giro pelo Mundo


postado em 24/12/2019 04:00

Constituição do Chile
Piñera promulga lei para convocar plebiscito

(foto: AFP/Photo)
(foto: AFP/Photo)

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, promulgou ontem a lei que permite convocar um plebiscito no domingo de 26 de abril para mudar a Constituição herdada da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), após um acordo político histórico. “Esta reforma abre as portas e define um caminho para alcançar um grande acordo constitucional”, que “não é uma varinha mágica que resolverá todos os problemas”, disse Piñera (foto) ao assinar esta lei aprovada na semana passada no Congresso, e que era uma das principais demandas das manifestações sociais que abalam o Chile há dois meses, deixando até o momento 26 mortos, segundo a Procuradoria. A promulgação foi feita no palácio presidencial de La Moneda, na presença de cerca de 300 convidados especiais, incluindo o ex-presidente socialista Ricardo Lagos. Há 15 anos, Lagos introduziu as reformas mais significativas à Constituição aprovada na ditadura, que continha uma série de enclaves considerados “antidemocráticos”.

Jornalista assassinado
Cinco árabes condenados à morte

Cinco sauditas foram condenados à morte ontem pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, após um julgamento em que foram absolvidos o conselheiro do príncipe herdeiro e uma autoridade da Inteligência, considerados os principais suspeitos. “Foram condenados à morte cinco homens que participaram diretamente do assassinato", disse o procurador saudita Shalaan al-Shalaan. Ao mesmo tempo, foram absolvidos Saud al-Qahtani, conselheiro do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, e o número dois do serviço de Inteligência, general Ahmed al Assiri. Jamal Khashoggi, um colaborador do jornal “The Washington Post, foi assassinado aos 59 anos, em outubro de 2018, durante uma operação que mergulhou a Arábia Saudita em uma de suas piores crises diplomáticas. O episódio manchou a imagem do príncipe herdeiro, suspeito de ser o mandante do crime.

EUA x China
A China vai reduzir as tarifas de importação de mais de 850 produtos, incluindo carne de porco congelada, a partir de janeiro, anunciou o ministério das Finanças ontem, em uma tentativa de combater a escassez deste alimento básico no país. A indústria de carne de porco da China foi muito afetada pela peste suína africana, que forçou o sacrifício de mais de um milhão de animais, de acordo com estatísticas oficiais, e dobrou o preço do produto. O anúncio determina que as tarifas sobre a carne de porco congelada cairão de 12% para 8% a partir de 1º de janeiro. A medida não parece estar relacionada com a guerra comercial aberta entre China e Estados Unidos, que levou os dois países a aumentar as tarifas de vários produtos, uma batalha de centenas de bilhões de dólares que afetou o crescimento mundial. No entanto, o presidente americano Donald Trump retuitou ontem duas notícias da imprensa sobre a redução das tarifas, sem qualquer comentário adicional.

Greves na França
Os franceses que querem pegar o trem para as festas de final de ano terão de ser pacientes: os grevistas mobilizados contra a polêmica reforma da Previdência querem manter o movimento, enquanto o governo previa anunciar ainda ontem o calendário das negociações. Após um fim de semana de início de férias complicado para os viajantes, a operadora ferroviária SNCF previam um tráfego “ainda fortemente perturbado” ontem. Apenas 40% dos trens de alta velocidade e trens expressos regionais operariam, assim como 20% dos trens suburbanos, e um quarto, dos trens de média distância. Na região de Paris, a “melhoria” prometida pela operadora de transporte urbano RATP permaneceu mínima, com ainda seis linhas de metrô fechadas de um total de 16, operação normal apenas para as duas linhas automatizadas e circulação normal da rede expressa regional (RER) apenas na hora do rush.

Galápagos
O vazamento de 2.700 litros de diesel ocorrido domingo na ilha de San Cristóbal não afetou nenhuma espécie da fauna única do arquipélago de Galápagos, afirmou o governo do Equador ontem. “Nenhuma espécie foi afetada pelo vazamento”, informou o ministro do Meio Ambiente, Raúl Ledesma, assinalando que uma equipe de veterinários percorre a região analisando exemplares. O local é habitado por leões-marinhos, tartarugas, aves e répteis, como iguanas, mas “nenhuma espécie foi afetada neste incidente, tampouco nas áreas turísticas. A situação é normal no arquipélago”, garantiu o ministro, que visita o local, catalogado como parte da reserva da biosfera. Ledesma agradeceu “a pronta reação das equipes de emergência, que evitou uma tragédia maior”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade