Publicidade

Estado de Minas

Centenas de pessoas se reúnem para invasão de 'área dos ET's'

A ideia, que era piada no Facebook, acabou sendo levada a sério e inspira um festival de três dias na região


postado em 20/09/2019 18:05 / atualizado em 20/09/2019 18:43

(foto: BRIDGET BENNETT / AFP)
(foto: BRIDGET BENNETT / AFP)
Centenas de pessoas se reuniram nesta sexta-feira, nas proximidades da base militar secreta “Área 51” em Nevada, nos Estados Unidos. O local é conhecido por teóricos da conspiração por abrigar tecnologia alienígena, além de ter sob custódia extraterrestres. Porém, o governo dos EUA nega qualquer tipo de atividade neste sentido.

Em meio a uma brincadeira na internet, milhares de pessoas resolveram ir até o local. Até mesmo um festival de música chamado “Alienstock” vai acontecer na região. O nome do festival é uma brincadeira com “Woodstock”.

O Alienstock surgiu de uma ideia do universitário Matty Roberts, da Califórnia. Em julho deste ano, ele criou um evento no Facebook, intitulado "Storm Area 51, They Can’t Stop All of Us", como uma brincadeira. Mas, em pouco tempo, o grupo começou a crescer e vários memes e planos para invadir a base misteriosa entraram nos assuntos mais falados nas redes. Robert, inclusive, recebeu a visita do FBI em sua casa e teve que se explicar.

Cartazes e luzes foram usadas para o protesto(foto: BRIDGET BENNETT / AFP)
Cartazes e luzes foram usadas para o protesto (foto: BRIDGET BENNETT / AFP)
A Força Aérea dos Estados Unidos está em alerta para a possibilidade real de uma invasão na instalação militar. Um porta-voz disse ao jornal The Washington Post que os “Estados Unidos estão prontos para defender seus ativos”. “(A Área 51) é um campo de treino para a Força Aérea dos Estados Unidos, e nós desencorajamos todos que tentarem invadir o lugar onde as Forças Armadas americanas são treinadas”, completou.

Roberts reconheceu que a festa pode se transformar em um “desastre humanitário”, caso as pessoas realmente tentem invadir a base. Apesar das advertências, a invasão não parece ser cancelada. O governo dos Estados Unidos não confirmou que a base existia até 2013, quando liberou arquivos da CIA em que diz que o local foi usado para testar aviões de espionagem ultrassecretos.

*A estagiária está sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


Publicidade