Publicidade

Estado de Minas

EUA proíbe dispositivo para disparo de rajadas


postado em 18/12/2018 20:46

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (18) a proibição do "bump stock", dispositivo que permite disparar com um fuzil rajadas automáticas e que foi usado durante o fatal ataque a tiros em Las Vegas, em outubro de 2017.

Segundo comunicado oficial do Departamento de Justiça, uma emenda às leis federais sobre armas de fogo coloca os "bump stocks" (ou carregadores de alta capacidade) na categoria de fuzis automáticos ilegais.

As pessoas com "bump stocks" terão 90 dias a partir da publicação da nova lei para entregá-los às autoridades ou destruí-los.

Este dispositivo, que dispara uma rajada de balas com uma simples pressão no gatilho, equipou os 12 fuzis usados por Stephen Paddock, autor do ataque a tiros de Las Vegas, o mais letal na história recente dos Estados Unidos.

Dessa forma, o assassino foi capaz de fazer nove disparos por segundo, matando 58 pessoas e ferindo outras 500.

Depois do massacre em uma escola de Ensino Médio em Parkland, na Flórida, onde um jovem matou 17 pessoas em 14 de fevereiro, mais de um milhão de pessoas se manifestaram para exigir uma legislação mais estrita das armas de fogo.

Após esse ataque, o presidente Donald Trump anunciou a sua intenção de proibir os "bumps stocks", enquanto se negava a mexer nos fuzis de assalto e outras armas semiautomáticas.

A proibição destes dispositivos "é um bom primeiro passo, mas apenas atinge a superfície das reformas que temos que alcançar para acabar com a epidemia de violência armada nos Estados Unidos", disse em um comunicado Matt Deitsch, cofundador do movimento contra as armas "Marcha pelas nossas vidas", surgido após o ataque a tiros de Parkland.

A Associação Nacional do Rifle (NRA, em inglês), o poderoso lobby das armas nos Estados Unidos, não se mobilizou em defesa destes dispositivos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade