Publicidade

Estado de Minas

Monsanto é condenada a pagar multa milionária a vítima de câncer terminal

Vìtima sofre de um linfoma não Hodgkin incurável, que atribui ao fato de ter utilizado repetidamente dois herbicidas durante seu trabalho em uma escola entre 2012 e 2014


postado em 11/08/2018 12:06 / atualizado em 11/08/2018 12:16

O caso se baseou nas conclusões da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer - um organismo da Organização Mundial da Saúde - que em 2015 classificou o glifosato como 'provavelmente cancerígeno'(foto: AFP PHOTO / POOL / JOSH EDELSON)
O caso se baseou nas conclusões da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer - um organismo da Organização Mundial da Saúde - que em 2015 classificou o glifosato como 'provavelmente cancerígeno' (foto: AFP PHOTO / POOL / JOSH EDELSON)

Um júri de San Francisco condenou nesta sexta-feira à gigante agroquímica Monsanto a pagar a uma vítima de câncer em fase terminal quase 290 milhões de dólares em danos por não alertar que o glifosato contido em seus herbicidas era cancerígeno.


O grupo considerou que a companhia agiu com "malícia" e que seu herbicida Roundup, assim como sua versão profissional RagenrPro, contribuíram "substancialmente" para a doença terminal do jardineiro californiano Dewayne Johnson. "Recebi muito apoio desde o começo deste caso, muitas orações e energia de pessoas que sequer conheço. Estou contente de poder ajudar em uma causa que vai além de mim. Espero que esta decisão dê ao assunto a atenção que necessita", disse Johnson aos jornalistas.


A Monsanto afirmou que vai recorrer da decisão. "Sentimos empatia com o senhor Johnson e sua família (...) mas defenderemos vigorosamente este produto com 40 anos de história e que continua sendo vital, efetivo e seguro para agricultores e outros", declarou a Monsanto. "O juri entendeu tudo errado", disse o vice-presidente da Monsanto, Scott Partridge.


Após oito semanas nos tribunais, o júri ordenou à companhia pagar 250 milhões em danos punitivos com danos compensatórios e outros custos, levando o total a quase 290 milhões de dólares.


Johnson, de 46 anos, sofre de um linfoma não Hodgkin incurável, que ele atribui ao fato de ter utilizado repetidamente RoundUp e RangerPro durante seu trabalho em uma escola entre 2012 e 2014. É a primeira vez que a Monsanto, adquirida pela alemã Bayer, se encontra no banco dos réus pelos potenciais efeitos cancerígenos destes produtos que contêm glifosato, uma substância controversa.


O advogado Brent Wisner, que defendeu Johnson, declarou que o resultado é uma "esmagadora evidência" de que o produto é perigoso. "Quando se está certo é mais fácil ganhar". Wisner avaliou que esta será a "ponta de lança" de outras ações.


Especialistas coincidem em que o veredito pode abrir a porta para centenas de novos processos. Robert F. Kennedy Jr. - advogado ambientalista, filho do finado senador dos EUA e membro da equipe legal de Johnson - também "acredita que o veredicto desencadeará uma enxurrada de novos casos". "O juri enviou uma mensagem à direção da Monsanto para que mude a forma como faz negócios".

Plaintiff DeWayne Johnson abraça um de seus advogados ao ouvir o veredito(foto: AFP PHOTO / POOL / JOSH EDELSON)
Plaintiff DeWayne Johnson abraça um de seus advogados ao ouvir o veredito (foto: AFP PHOTO / POOL / JOSH EDELSON)


"O veredicto é uma vitória para toda a humanidade, para toda a vida na Terra", avaliou Zen Honeycutt, fundadora da ONG Moms Across America. "A maioria das nossas doenças e perda da qualidade do solo, água e vida silvestre está relacionada a estes produtos químicos tóxicos".


O caso se baseou nas conclusões da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer - um organismo da Organização Mundial da Saúde - que em 2015 classificou o glifosato como "provavelmente cancerígeno". A Monsanto sempre negou qualquer relação entre o câncer e o glifosato.

Bayer: glifosato é 'é seguro e não cancerígeno'


 

O grupo farmacêutico Bayer declarou, neste sábado (11), que o glifosato é "seguro e não cancerígeno", depois de o fabricante agroquímico Monsanto ter sido condenado nos Estados Unidos por não advertir sobre o perigo de seu pesticida Roundup.

 

"Baseando-se em provas científicas, avaliações regulamentadoras em escala mundial e em décadas de experiência prática do uso do glifosato, a Bayer estima que o glifosato é seguro e não cancerígeno", declarou à AFP um porta-voz do grupo alemão, novo proprietário da Monsanto.

 

Um júri de um tribunal de San Francisco condenou a Monsanto a pagar quase 290 milhões de dólares de indenização a Dewayne Johnson. Este jardineiro americano de 46 anos afirma que os produtos da Monsanto - especialmente o Roundup, usado por ele durante anos - provocaram o câncer do qual ele é vítima e que a multinacional omitiu sua periculosidade.

 

Em um comunicado, a empresa reagiu, anunciando que recorrerá da sentença. Também reiterou a ideia de que o glifosato, princípio ativo do Roundup, não provoca câncer e não é responsável pela doença do demandante.

 

Questionada pela AFP, a Bayer antecipou argumentos similares e explicou que "a sentença da Corte contradiz as conclusões científicas, segundo as quais não existe qualquer relação entre o uso do glifosato" e a doença de Dewayne Johnson.

 

No início de junho, a Bayer fechou a compra da Monsanto por 63 bilhões de dólares e, rapidamente, anunciou que mudaria o nome da empresa.

 

Classificado como "cancerígeno provável" pela Organização Mundial de Saúde (OMS) desde 2015, o glifosato é usado em vários produtos. O Roundup é o mais conhecido deles.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade