Publicidade

Estado de Minas

Guatemala suspende operações de resgate de vítimas do vulcão


postado em 07/06/2018 15:00

Uma vez mais, a Guatemala teve de suspender nesta quinta-feira as operações de resgate na zona devastada pela erupção do Vulcão de Fogo no sul do país.

As operações também tiveram de ser suspensas na véspera por causa da chuva e dos fortes ventos.

A cifra de mortos na tragédia é de quase cem, além dos povoados inteiramente soterrados na tragédia.

O vulcão, com 3.763 metros de altura e situado 35 km a sudeste da capital, registrou no domingo sua erupção mais forte nas últimas quatro décadas que deixou desde então 99 mortos e 197 desaparecidos, segundo dados da Coordenação para a Redução de Desastres (Conred).

- Perigo iminente -

O trabalho árduo foi suspenso devido à ameaça potencial do desprendimento a qualquer momento de sedimentos das ladeiras, podendo ocasionar outra tragédia, já que o vulcão se mantém ativo lançando colunas de cinzas.

Além disso, pode voltar a gerar fluxos de gases tóxicos, pedras e material vulcânico, que caem a grande velocidade e arrasam tudo em sua passagem.

"As condições climáticas e resultantes do material quente ainda depositado na área não são adequadas para preservar a integridade física dos socorristas", afirmou o porta-voz da Conred, David de León.

Uma das avalanches ocorridas arrasou com comunidades da cidade de Escuintla, que ficaram sepultadas sob toneladas de escombros.

Apesar de as autoridades guatemaltecas não terem pedido ajuda oficialmente, muitos países se dispuseram a fazê-lo, como os Estados Unidos que enviaram um avião da Força Aérea para transportar seis crianças guatemaltecas que precisam de tratamento para queimaduras.

O Chile também anunciou sua cooperação tecnológico para monitorar a atividade do vulcão na Guatemala e o México anunciou que prestará assessoria técnica médica enviando uma equipe de especialista em queimaduras.

A brigada de médicos de Cuba que reside na Guatemala também colabora nas tarefas de apoio aos abrigos montados pelo governo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade