Publicidade

Estado de Minas

Irã se prepara para um eventual fracasso do acordo nuclear


postado em 06/06/2018 10:36

O Irã confirmou nesta quarta-feira em Viena que realiza "trabalhos preparatórios" com o objetivo de reativar seu programa nuclear em caso de fracasso do acordo de 2015 com as grandes potências após a retirada de Washington em maio.

Teerã começa "trabalhos preparatórios no caso do JCPOA (abreviatura oficial do acordo) fracassar, para que assim o Irã possa reviver as suas atividades sem restrições ligadas ao JCPOA", declarou seu embaixador à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Reza Najafi.

O diplomata confirmou que o seu país notificou a agência que pretendia retomar a produção de gás UF6, utilizado para o enriquecimento de urânio.

O vice-presidente iraniano, Ali Akbar Salehi, anunciou na terça-feira que a República Islâmica também desejava fabricar novas centrífugas para aumentar sua capacidade de enriquecimento.

O representante iraniano na AIEA convidou os signatários do acordo, especialmente os europeus, a encontrar "muito rapidamente" uma solução para "compensar" os efeitos econômicos da retirada dos Estados Unidos.

Se não, o Irã "não aceitará continuar respeitando seus compromissos", acrescentou.

Em um discurso na segunda-feira, o guia supremo iraniano Ali Khamenei afirmou que seu país tinha "o dever de se preparar rapidamente" para aumentar a capacidade de enriquecimento de urânio.

O enriquecimento de urânio permite produzir combustíveis para usinas nucleares que produzem eletricidade atômica ou outras aplicações civis, particularmente na medicina. Mas o urânio altamente enriquecido e em quantidade suficiente permite a fabricação de uma bomba atômica.

Os Estados Unidos e Israel acusam o Irã de querer fabricar uma bomba atômica, mas o Irã rejeita essas acusações dizendo que seu programa tem um objetivo pacífico e civil.

O acordo sobre o programa nuclear do Irã, assinado entre Teerã e o Grupo 5+1 (China, EUA, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha), permitiu o retorno do Irã à comunidade internacional após anos de isolamento e uma levantamento das sanções internacionais em troca de uma drástica redução em suas capacidades atômicas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade