Publicidade

Estado de Minas

Netanyahu prossegue ofensiva diplomática contra Irã em Paris


postado em 05/06/2018 19:00

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, solicitou nesta terça-feira ao presidente francês, Emmanuel Macron, que exerça a "máxima pressão" contra o Irã, que anunciou planos para aumentar sua capacidade de enriquecimento de urânio.

Macron advertiu para o risco de uma "escalada" para a guerra no Oriente Médio.

"Convido a todos a estabilizar a situação e a não ceder a esta escalada porque ela conduzirá a apenas uma coisa: o conflito" - disse Macron após receber Netanyahu no Palácio do Eliseu.

"O objetivo é erradicar Israel", declarou Netanyahu, advertindo que "os propósitos agressivos do Irã no final desestabilizarão o Oriente Médio, a Europa e o mundo", ao provocar novos fluxos de refugiados.

O líder israelense defendeu "exercer a máxima pressão sobre o Irã para garantir que seu programa (nuclear) não vá a qualquer parte".

O Irã anunciou ter notificado a Organização Internacional de Energia Atômica (OIEA) um plano para aumentar seu número de centrífugas, que servem para enriquecer urânio.

O enriquecimento de urânio permite produzir combustível para as centrais nucleares. Altamente enriquecido, o urânio também serve para fabricar uma bomba atômica.

Israel se considera o alvo principal do Irã se este país se dotar de arma nuclear.

O aiatolá Ali Khamenei tuitou no domingo que Israel era "um tumor cancerígeno" no Oriente Médio que deveria ser erradicado.

O Irã assegura que suas atividades nucleares são puramente civis.

O chefe do governo israelense mostrou claramente o objetivo de sua visita ao continente na segunda-feira em Berlim, alertando a chanceler alemã, Angela Merkel, de uma nova chegada de refugiados sírios se não fizerem nada para conter a crescente influência de Teerã no Oriente próximo.

Depois de Merkel, o presidente francês, Emmanuel Macron, voltará a insistir na necessidade de salvar o acordo sobre o programa nuclear iraniano que, segundo os países europeus e apesar de seus defeitos, é a única forma de evitar uma proliferação nuclear na região.

No acordo assinado em 2015 e do qual os Estados Unidos se retiraram em 8 de maio, o Irã renunciou a toda ambição nuclear militar em troca de uma suspensão das sanções internacionais que paralisam sua economia.

Netanyahu afirma que o acordo não impedirá que o Irã obtenha a bomba atômica e que a suspensão das sanções ajuda o país a financiar sua expansão regional em Síria, Líbano e Iraque, em detrimento da segurança de Israel. Uma postura compartilhada pelo presidente americano, Donald Trump.

- Enfoques diferentes -

"Compartilham o diagnóstico sobre o fato de que a presença militar do Irã ou de grupos pró-iranianos na Síria representa uma ameaça duradoura", afirmou a Presidência francesa.

Mas o governo francês pede para ampliar o acordo com Teerã para também abordar o programa balístico iraniano e sua política de influência regional, enquanto Israel pretende obrigar a República Islâmica a voltar a negociar o acordo nuclear.

"O objetivo de Benjamin Netanyahu é sair do isolamento com Washington" e "obrigar, no mínimo, os europeus a reforçar o acordo existente", reintroduzindo, se necessário, as sanções contra o Irã, opina David Khalfa, pesquisador associado do Instituto Prospectiva e Segurança na Europa (IPSE) em Paris.

Israel conta com dois truques para alcançar seu objetivo: a ameaça de sanções americanas contra as empresas europeias, que ainda não entraram em vigor, e o eixo formado por Estados Unidos, Israel e Arábia Saudita, acrescenta Khalfa.

Diante da questão iraniana, o conflito israelense-palestino fica em segundo plano, embora o presidente palestino, Mahmud Abbas, viajará em breve a Paris.

Em dezembro de 2017, Macron exortou Netanyahu a ter algum "gesto" com os palestinos, mas o processo de paz parece mais estagnado do que nunca, sobretudo desde que os Estados Unidos reconheceram Jerusalém como capital de Israel.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade