Publicidade

Estado de Minas

Congresso americano quer reforçar sanções contra o Irã


postado em 16/02/2011 06:58 / atualizado em 16/02/2011 07:23

O presidente Barack Obama afirmou que espera que os iranianos tenham a coragem de continuar protestando contra o regime(foto: AFP PHOTO/Tim SLOAN )
O presidente Barack Obama afirmou que espera que os iranianos tenham a coragem de continuar protestando contra o regime (foto: AFP PHOTO/Tim SLOAN )


Congressistas americanos devem divulgar nesta quarta-feira um projeto de lei para reforçar as sanções econômicas contra o Irã, com o objetivo de obrigar o país a abandonar o programa nuclear.

O projeto de lei dos senadores Kirsten Gillibrand (democrata) e Mark Kirk (republicano), além dos representantes Ted Deutsch (democrata) e Dan Burton (republicano), pretende completar uma série de medidas já adotadas pelo Congresso ano passado.

A iniciativa exige que as empresas americanas revelem todos os investimentos próprios ou de suas filiais no Irã que violem as sanções existentes em seus relatórios trimestrais ou anuais enviados à SEC, a autoridade que regulamenta a atividade na Bolsa americana.

Também pedirá que os bancos americanos informem as atividades dos sócios no exterior - intermediários com capacidade de fazer negócios no Irã - que possam burlar as leis americanas.

Funeral

Duas pessoas apresentadas pelas autoridades como simpatizantes do governo morreram durante as manifestações da oposição na segunda-feira em Teerã(foto: REUTERS/Morteza Nikoubazl )
Duas pessoas apresentadas pelas autoridades como simpatizantes do governo morreram durante as manifestações da oposição na segunda-feira em Teerã (foto: REUTERS/Morteza Nikoubazl )


Incidentes foram registrados nesta quarta-feira durante o funeral de uma das vítimas das manifestações antigovernamentais de segunda-feira, informou a televisão estatal iraniana. "Alguns incidentes afetaram estudantes e outras pessoas que participavam no funeral do mártir Sanee Jaleh na Universidade de Artes de Teerã", afirma o site da emissora, que atribui os problemas a "um pequeno número de pessoas aparentemente vinculadas ao movimento de sedição" (como o governo chama a oposição). De acordo com o canal, os defensores do poder forçaram a retirada dos opositores.

Sanee Jaleh foi apresentado como um "estudante basijj" (membro da milícia islâmica basijj), mas alguns sites da oposição afirmam que ele era um ativista do movimento Verde.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade