UAI
Publicidade

Estado de Minas MINERAÇÃO

Vale já esvaziou 30% da barragem de Macacos

Retirada da carga de rejeitos é condição para que famílias evacuadas em 2019 voltem para casa, diz a empresa


15/05/2022 04:00 - atualizado 14/05/2022 22:30

reservatório da barragem B3/B4
Vale já removeu 30% do conteúdo da barragem que evacuou Macacos. Na foto, vista lateral do reservatório da barragem B3/B4. Equipamentos operados remotamente fazem o trabalho de retirada do rejeito do reservatório (foto: Divulgação/Vale)

Moradores e comerciantes de  São Sebastião das Águas Claras, distrito de Nova Lima mais conhecido como Macacos, que deixaram suas casas ou negócios devido ao risco de rompimento da Barragem B3/B4, da Mina Mar Azul, podem estar mais perto de restabelecer a sua rotina nesse local charmoso e turístico. A mineradora Vale, que opera as estruturas da mina, informou que já conseguiu concluir 30% dos trabalhos de desintegração e revitalização do barramento, atualmente um dos três da companhia que se encontram em nível 3 do plano de emergência de barragens, o mais crítico e que representa risco iminente de ruptura. Esse risco e a complexidade do trabalho exigem que todo o maquinário usado nos trabalhos seja não tripulado, controlado remotamente por pilotos, o que exige mais tempo para o término do projeto.

A barragem se encontra sob risco desde fevereiro de 2019, o que levou à evacuação das zonas de autossalvamento (ZAS), áreas onde pessoas podem ser direta e imediatamente atingidas em caso de rompimento. Cerca de 200 pessoas recebem auxílios e aguardam que a estrutura reúna condições para que possam retornar. “O esvaziamento dessa barragem é a principal etapa do trabalho. A B3/B4 integra a lista de 30 barragens da empresa que usam o mesmo método de construção da que se rompeu em Brumadinho. Sete barragens a montante já foram eliminadas e, até o final do ano, 40% delas estarão completamente eliminadas”, informa a mineradora.

O barramento de rejeitos de minério de ferro tem 33 metros de altura e 221 de comprimento. Em caso de ruptura, os 2,7 milhões de metros cúbicos (m3) de rejeitos – cerca de um terço do volume que se desprendeu da Barragem B1, em Brumadinho, em janeiro de 2019 – levariam pouco mais de 15 minutos para chegar a Macacos. Por esse motivo, a Vale informa que as famílias só vão voltar quando boa parte da carga da barragem, mesmo sob obras, já tiver sido carga removida.
 Centro de Operações Remotas
Na foto, operador de equipamento remoto (usado na descaracterização da B3/B4) no Centro de Operações Remotas, em Belo Horizonte (foto: Divulgação/Vale)

Nas etapas iniciais de trabalho na Barragem B3/B4, foram feitas obras de drenagem para impedir o ingresso de água das chuvas no reservatório que sofre as intervenções. Um reforço da estrutura do maciço também foi erguido preventivamente, com a colocação de pedras para ampliar a segurança. Todas as intervenções são feitas a distância, por tratores, escavadeiras, caminhões e outras máquinas não tripuladas e comandadas de estações remotas em cabines onde os operadores assumem comandos em estações que simulam o maquinário real. Com isso, ninguém se expõe aos riscos do trabalho na área comprometida.

As estruturas com previsão de conclusão das obras de descaracterização neste ano são: o Dique Auxiliar da Barragem 5, na Mina Águas Claras, em Nova Lima; os Diques 3 e 4 da Barragem Pontal, em Itabira; a Barragem Ipoema, na mesma cidade; e a Barragem Baixo João Pereira, em Congonhas. A atualização mais recente do Programa de Descaracterização indica que 90% das barragens a montante serão eliminadas até 2029 e 100% até 2035.

“Todos os barramentos da empresa com comunidades abaixo que podem ser afetadas receberam contenções capazes de reter os rejeitos em caso de necessidade”, informa a Vale. É o caso da Barragem Sul Superior, na mina Gongo Soco, em Barão de Cocais; da B3/B4, na mina Mar Azul, em Nova Lima; e da Barragem Forquilha III, na Mina Fábrica, em Itabirito.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade