UAI
Publicidade

Estado de Minas BOMBA-RELÓGIO

Risco de rompimento em mina da AngloGold leva medo a Santa Bárbara

Erosões profundas e progressivas em pilha de estéril que estaria sendo usada para depósito de rejeitos ameaçam ruptura, vidas e meio ambiente


04/02/2022 07:59 - atualizado 04/02/2022 18:51

Erosões na Pilha do Sapê de 80 metros, na Mina Córrego do Sítio, em Santa Bárbara
Pilha do Sapê exibe erosões em seus taludes e base trazendo risco de desabamento e catástrofe (foto: Mateus Parreiras/EM/D.A.Press)
Santa Bárbara - As fendas profundas e voçorocas que se abriram com as chuvas engolem a base e os taludes de uma montanha de rejeitos da mineração de ouro. Se os mais de 80 metros de detritos da chamada Pilha do Sapê vierem abaixo, uma tragédia pode ser provocada como a de Brumadinho e até mesmo cortar o abastecimento de mais de 25 mil pessoas.

 

Por isso, os funcionários da Mina Córrego do Sítio (CDS), da AngloGold Ashanti, em Santa Bárbara, foram evacuados às pressas, segundo afirmam, na última semana de janeiro. A empresa chegou a minimizar, comunicando que se tratava de medida preventiva.

"O processo de erosão dessa estrutura é evidente e preocupante, precisa receber intervenção urgente. Reforça isso a retirada dos trabalhadores pela própria empresa", afirma o professor Carlos Barreira Martinez, do Instituto de Engenharia Mecânica (IEM) da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), após ver as imagens exclusivas da reportagem do Estado de Minas mostrando os rombos na estrutura. A reportagem aguarda posicionamento da empresa.

Veja infográfico com detalhes da situação da Pilha do Sapê, em Santa Bárbara 


O Governo de Minas Gerais, por meio do Gabinete Militar do Governador (GMG)/Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), informou que, "ao tomar conhecimento sobre possível instabilidade em uma pilha de rejeitos de mineração do complexo da Mina Córrego do Sítio, localizada no município de Santa Bárbara-MG e explorada pela AngloGold Ashanti, solicitou, de imediato, informações à mineradora". 

Detalhe das drenagens soterradas e da base da pilha erodida da Pilha do Sapê
Detalhe das drenagens soterradas e da base da pilha erodida (foto: Mateus Parreiras/EM/D.A.Press)
Segundo a Cedec-MG, a Anglo Gold informou que identificou processos erosivos em uma pilha de rejeitos, mas que estes estão controlados, não havendo risco para a estrutura, e que o material está classificado como não perigoso.

"A empresa informou que não houve extravasamento de material ou impacto ao meio ambiente e às comunidades próximas. A empresa destacou que já faz intervenções preventivas. O Governo de Minas, por meio de seus órgãos fiscalizadores, está atento às operações da mineradora em pauta e acompanhando a situação", aponta o órgão de estado.

 

Às moscas


No complexo CDS1 da porção oeste da mineradora não há mais nem sinal dos trabalhadores de macacão laranja da empresa. Tudo que ficava abaixo da Pilha de Sapê foi redirecionado, evacuado e transferido para a planta CDS2, 7,5 quilômetros a leste.

Complexo minerário de Córrego do Sítio, da AngloGold em Santa Bárbara
Complexo minerário de Córrego do Sítio, da AngloGold em Santa Bárbara (foto: Mateus Parreiras/EM/D.A.Press)
Enquanto especialistas afirmam que obras emergenciais de contenção da pilha deveriam estar em andamento, o cenário constatado pela reportagem do EM na última semana é de abandono. Não há movimentação de máquinas na pilha, e estruturas funcionais esvaziadas chegam a inundar com as chuvas ainda constantes.

A proximidade dos funcionários com o perigo se mostrava semelhante ao que se tinha na Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, onde 270 pessoas morreram, em 2019.

Portaria da Mina Córrego do Sítio (CDS), da AngloGold Ashanti, em Santa Bárbara
Portaria, refeitório, áreas administrativas e operacionais sob a pilha foram evacuadas (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A.Press)
À sombra da pilha minada pela água estão áreas de trabalho que eram ocupadas e intensas, como o escritório central, a 260 metros da estrutura, os alojamentos e refeitórios (290 metros), os tanques onde trabalhadores afirmam estar estocadas misturas com cianeto que é tóxico para animais e o ser humano (322 metros) e a portaria do complexo (600 metros).

Mapa
(foto: Soraia Piva/EM/D.A Press)

 

Risco de desastre 


Mas ambientalistas alertam que a devastação que um desmoronamento da Pilha do Sapê pode trazer ainda é enorme, não sendo sanada pela evacuação dos funcionários da AngloGold Ashanti.

“A estrada que leva a Itabirito e a Santa Bárbara, passando pela Mina Córrego do Sítio, não recebeu segurança, não tem equipes prontas para fechar o tráfego nem a população próxima foi alertada”, destaca o dirigente estadual da Região do Caraça do Movimento Pela Soberania Popular na Mineração (MAM), Luiz Paulo Siqueira.

Uma onda de rejeitos precisaria percorrer apenas 525 metros a partir da pilha para chegar ao Rio Conceição. A reportagem testemunhou que um volume considerável do material do empilhamento já está escoando pelas erosões para o manancial.

De tão límpido, o corpo hídrico é considerado de classe 1 naquele segmento, ou seja, segundo o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), as águas estão aptas ao abastecimento humano com tratamento simplificado, pesca, natação, mergulho, irrigação de hortaliças e frutas consumidas cruas.

Uma vez que rejeitos despejados de suas contenções escorrem para dentro de águas o perigo se amplia, segundo observam especialistas e ambientalistas. “Como ocorreu em em Mariana, quando a Barragem do Fundão se rompeu e o rejeito entrou na Barragem Santarém, de água, ganhando mais força e velocidade”, compara Siqueira.

Material escoa da Pilha do Sapê e chega ao Rio Conceição
Material que escoa da pilha chega ao Rio Conceição e pode afetar a qualidade das águas e abastecimento em caso de desabamento (foto: Mateus Parreiras/EM/D.A.Press)
Encaixada na calha do Rio Conceição, a devastação dos rejeitos da mineração de ouro e seus possíveis contaminantes teriam um caminho de 10 quilômetros para chegar até a estrada que leva ao Santuário do Caraça.

São apenas 500 metros para saltar do Rio Conceição e chegar até o Ribeirão do Caraça, em vários pontos mais baixo que o manancial carregado de rejeitos. Com isso, a comunidade, os ambientalistas e os especialistas temem que ocorra uma contaminação do Ribeirão do Caraça, que é a principal fonte de abastecimento do município de Santa Bárbara, chegando às torneiras de cerca de 25 mil pessoas.

“A devastação no caminho de uma captação de água poderia ser uma tragédia atrás da outra e temos visto isso acontecer com certa frequência no estado”, alerta Carlos Barreira Martinez, que é doutor em Planejamento de Sistemas Energéticos pela Universidade Estadual de Campinas.

A onda de rejeitos ainda traria impactos como inundações aos lares de 800 pessoas do distrito de Brumal, que fica às margens do Rio Conceição, interropendo acessos ou trazendo impactos às atividades de cerca de 2 mil pessoas dessa comunidade.

Já no Rio Santa Bárbara, o destino dos resíduos que podem ser altamente tóxicos é a Barragem do Peti, que pode conter o volume, mas teria impactos na atividade pesqueira e de lazer, sendo que após a hidrelétrica da Cemig, o manancial desagua no Rio Piracicaba e por fim no Rio Doce, em Ipatinga.


Empresa diz que situação está sob controle 

 

A AngloGold Ashanti afirma que os danos na pilha de deposição de rejeito a seco ocorreu devido a impactos das fortes chuvas do início de mês de janeiro e que realizando uma série de obras em estruturas internas da unidade, como vias internas e acessos.

A empresa admite os desgastes, mas não a gravidade observada pelos especialistas ouvidos pelo EM. "Esta pilha sofreu um processo de erosão, que está controlado e não apresenta risco iminente".

Os impactos aos recursos hídricos devido ao carreamento de detritos dessas erosões, no entanto foram negados, mesmo após as imagens mostradas pela reportagem. "A erosão permaneceu totalmente na área da empresa sem impactos aos cursos hídricos da região e às comunidades próximas".

A AngloGold Ashanti contraria as informações repassadas por funcionários de que há tóxicos na pilha. "A estrutura contém material classificado como não-perigoso, de acordo com a norma técnica brasileira. O local, inclusive, recebeu nesta semana vistoria do Governo do Estado, por meio do órgão ambiental".

Ainda que a reportagem também tenha mostrado a planta sob a pilha e a própria pilha vazios, a empresa afirma que há obras ocorrendo. "Desde o dia 10 de janeiro, técnicos e engenheiros da companhia atuam na área com maquinário para as obras de reparo. Também de forma preventiva, para que as obras sejam feitas com o máximo de segurança e agilidade, neste período, algumas estruturas e empregados foram deslocados temporariamente já há mais de 10 dias".

A AngloGold Ashanti também reforçou que a pilha não tem relação com suas barragens, que continuam estáveis, segundo laudos. Em caso de dúvidas, a empresa atende a comunidade pelo canal de relacionamento: 0800 72 71 500.

Perigo em Santa Bárbara

Erosões em estrutura com rejeitos da Anglogold ameaçam comunidades e ambiente

Mina Córrego do Sítio

  • Município
    Santa Bárbara

  • Região
    Central de MG

  • Distância de BH
    108km

  • Bacia Hidrográfica
    Rio Doce

  • Produção
    Ouro

  • Implantação
    1987, composta por duas minas subterrâneas (Minas I e II), uma mina a céu aberto (Open Pit) e duas plantas metalúrgicas

  • Barragens de rejeitos
    Métodos linha de centro (CDS1) e jusante (CDS2)

  • Situação
    Laudos de estabilidade, desativadas e sendo desmanchadas

  • Disposição de rejeitos
    A seco
Fonte: AngloGold Ashanti

Estrutura que ameaça a segurança da comunidade, trabalhadores e meio ambiente

Pilha de Sapê

  • Altura
    83 metros

  • Área
    133 mil m2 (dobro da área que contém os edifícios Minas e Gerais da Cidade Administrativa de MG)

  • Composição
    Sedimentos estéreis (inservíveis) e rejeitos (empresa afirma serem inertes, trabalhadores denunciam tóxicos presentes como cianeto e arsênio)

Problemas identificados

  • Erosões grandes e em progresso nos taludes e na base
  • Ausência de contenções
  • Material sendo carreado para o Rio Conceição
  • Não foram vistos trabalhos de reparos
  • Vias de acesso livres em caso de emergência
  • Comunidades reclamam de falta de informações e transparência

Distâncias da estrutura

  • 260 metros
    Escritório Central da Mina (evacuado)

  • 290 metros
    Alojamentos e refeitórios (evacuados)

  • 322 metros
    Tanques (trabalhadores afirmam estar estocado ali misturas com cianeto)

  • 525 metros
    Rio Conceição

  • 652 metros
    Estrada Brumal,  Itabirito (Parque nacional da Serra do Gandarela)

Distâncias dos rejeitos pelos vales dos rios

  • Rio Santa Bárbara
    7,3km

  • Estrada para o Santuário do Caraça e captação de água de Santa Bárbara
    10km

  • Brumal (Santa Bárbara)
    11,2 km

  • Barragem do Peti (Cemig)
    26,5km

  • Usina Hidrelétrica do Peti
    41km

  • Rio Piracicaba (Nova Era)
    95km

  • Rio Doce (Ipatinga)
    211km

Fontes: MAM, AngloGold Ashanti, Copasa, Cemig, ANA, Igam e reportagem


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade