UAI
Publicidade

Estado de Minas CRIME NO TRABALHO

Homem de 30 anos matou açougueiro no Centro de BH com faca do comércio

Autor assumiu ter utilizado faca usada para cortar peças de carne para cometer crime: ele teria amolado o equipamento, o que configura premeditação, diz PC


03/12/2021 17:09 - atualizado 03/12/2021 19:09

Fachada de açougue no Centro de BH onde ocorreu homicídio
Homicídio ocorreu em açougue situado no Centro de BH (foto: Reprodução/Google Street View)
Um crime cometido por motivo fútil, em que a vítima não teve qualquer chance de defesa. Essa foi a conclusão da investigação da Polícia Civil sobre o assassinato de um açougueiro de 52 anos, ocorrido onde trabalhava, no Centro de Belo Horizonte. O homem de 30 anos apontado como autor está preso desde quarta-feira (1º/12) suspeito pelo homicídio ocorrido no dia 13 de outubro deste ano.

 

“A vítima foi atingida com vários golpes de faca, sem qualquer condição de defesa, e o suspeito prosseguiu com os golpes mesmo após a vítima ter caído ao chão. Então, de fato, é uma conduta de grande reprovabilidade, especialmente em razão dessa relação antecedente como colegas de trabalho”, destaca a delegada Letícia Gamboge, chefe do Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).


Segundo as investigações, o suspeito havia começado a trabalhar no açougue menos de uma semana antes do cometimento do crime. A faca utilizada pelo matador era a mesma que cortava as carnes e pertencia ao estabelecimento.


“A vítima já trabalhava para a rede de açougues há seis anos, então, ela já era muito conhecida pelo proprietário e pelos funcionários que estavam ali há mais tempo. Já o suspeito só tinha cinco dias de trabalho no local e ainda estava em contrato de experiência”, diz a delegada que coordena o inquérito, Michelle Campos.

 

Demissão após briga 


Segundo a delegada Michelle, no dia 7 de outubro, o suspeito teria discutido e ameaçado outro funcionário, fato presenciado pela vítima, que o repreendeu. O suspeito sentiu-se indignado e, de certa forma, ameaçado pelas palavras proferidas pela vítima.

 

Policiais responsáveis por prisão, entre os quais as delegadas Letícia Gamboge (C) e Michelle Campos (E)
Conclusão do inquérito foi apresentado pelas delegadas Letícia Gamboge, ao centro, e Michelle Campos (foto: PCMG/Divulgação)
 


Nesse mesmo dia da discussão, o açougueiro de 52 anos, a vítima, foi demitido da empresa, por causa da briga. Retornou ao local seis dias depois para receber o acerto trabalhista. Segundo Michele, ele foi ao ponto comercial três vezes: duas pela manhã e uma à tarde.


Na parte da manhã, o açougueiro levou café para os funcionários, já que trabalhou muitos anos na empresa e era querido no ambiente. No período da tarde, quando retornou para conversar com o ex-patrão, foi atacado pelo suspeito.


“Quando a vítima estava na porta do estabelecimento, olhando para a rua, o suspeito deixa o balcão, de posse de uma faca, e começa a desferir golpes na vítima, que estava inclusive de costas para ele no momento do primeiro golpe”, detalha ela.

 

Crime premeditado 


Depois do crime, o suspeito deixou a faca em cima do balcão e fugiu do local a pé, pisando sobre o corpo da vítima. Ainda segundo a delegada Michelle, momentos antes do crime, o suspeito teria amolando a faca utilizada no homicídio, o que demonstra premeditação.


No depoimento que prestou no DHPP, o suspeito assumiu a autoria do crime e contou que durante o período em que estava foragido, estava morando no Rio de Janeiro, onde permaneceu por um tempo.


Ao retornar para Belo Horizonte, ele conta que chegou a ficar em situação de rua. Estava num trabalho informal, usando nome falso, e que nesse novo serviço, discutiu com um outro colega, sentiu-se ameaçado e por pouco não cometeu outro homicídio.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade