UAI
Publicidade

Estado de Minas CLIMA

Proximidade do período mais chuvoso em Minas reforça medidas de precaução

Inmet prevê precipitações que variam de abaixo da média a acima do patamar histórico em áreas diversas do estado


14/10/2021 06:00 - atualizado 14/10/2021 07:34

Clima em BH: homem anda sob céu claro
A chuva deu trégua ontem em Belo Horizonte (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)


Outubro chegou e abre a temporada de chuvas em Minas Gerais, que começa pra valer na segunda quinzena. Ainda em período de transição de estação, o chão já molhou e deixou muita gente preocupada com os temporais. Em Belo Horizonte, o volume de chuva nos 13 dias deste mês já chegou a 100,7 milímetros (mm), de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A média climatológica é de 104,7mm, ou seja, já choveu 96,2% do esperado para o mês de outubro. A cidade inclusive chegou a ter alerta de risco geológico feito pela Defesa Civil. Mas o que esperar para o período chuvoso que vai até março? Antes de qualquer resposta, a regra de ouro: melhor prevenir do que remediar, e as atitudes antes e durante as precipitações podem fazer a diferença (confira quadro).

“A gente não consegue prever como vai ser até março, mas já conseguimos ter uma ideia de como serão esses três primeiros meses (outubro, novembro e dezembro) da temporada”, diz Anete Fernandes, meteorologista do Inmet. “Ainda não podemos falar que a estação chuvosa começou, porque a primeira quinzena de outubro é considerada a transição. Tivemos as primeiras pancadas, mas precisamos da chuva mais recorrente, mais frequente, que deve começar agora no início de novembro”, acrescentou.

O Inmet estabelece três critérios de previsão para o período. A tendência é que este último trimestre do ano tenha chuvas de normal a abaixo da média no Sul de Minas, normal a acima da média no Norte do estado e dentro da normalidade no restante do mapa. “Nossa análise é qualitativa, não quantitativa. Então, não podemos afirmar qual volume de chuva vai cair em cada lugar”, afirmou Anete. Além disso, a previsão meteorológica também pode ser atualizada à medida que o clima sofre alterações.

Chuva em BH
Precipitações marcaram o feriadão na capital mineira (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)


“Normalmente, considerando o histórico das chuvas em Minas Gerais, o período mais volumoso costuma ser entre novembro e janeiro, por conta dos sistemas que atuam”, disse a meteorologista. É o caso da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), um sistema que forma uma faixa de nebulosidade que se estende desde o sul da região amazônica até a região central do Atlântico Sul, responsável por grandes tempestades. Foi assim em janeiro do ano passado, quando BH teve o dia mais chuvoso da história da cidade (171,8 milímetros em 24 horas do dia 24). Os temporais daquela semana deixaram a cidade alagada, derrubaram árvores, arrastaram carros e causaram deslizamentos de terra.

Prevenção


“Durante a configuração das ZCAS que se prolonga sobre o oceano, ocorrem dias consecutivos com chuva. Assim teremos aumento de rios e reservatórios”, comenta Anete. “Não dá pra falar com tanta antecedência se ela vai ser desastrosa este ano. A gente precisa acompanhar os modelos. Nos últimos anos, houve uma união de esforços para que as autoridades se preparem para tomadas de decisão. Isso tem sido feito.”

Além da possibilidade de repetir o cenário triste e comum em dias de alto volume de precipitação, existe uma relação direta de chuva com temperatura. “Nesta época, a gente tem uma quantidade maior de nuvens, que controlam a temperatura e não fica tão quente. Mas uma característica que também acontece, mais em fevereiro e março, é o que chamamos de veranico, que são dias consecutivos de calor e sem chuva.”

Belo Horizonte


As tragédias já vividas em Belo Horizonte no período chuvoso serviram para reforçar os cuidados com a população. Em setembro, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, recebeu reconhecimento do governo federal para suas iniciativas nesse sentido. A Defesa Civil Nacional, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento Regional, reconheceu “iniciativas de sucesso” realizadas no município. Uma delas tem a ver com as ações de bloqueio de vias; outra reconhece o projeto de mapeamento de áreas de risco de inundação; e a terceira ação com vertente da temporada de chuvas é o treinamento de comportamento de segurança durante o período chuvoso e plano de contingência da prefeitura.

O subsecretário de Proteção e Defesa Civil, coronel Waldir Figueiredo, esclarece que a prefeitura obedece às recomendações do Marco de Sendai, principal instrumento orientador de redução de risco de desastres adotado por países membros da Organização das Nações Unidas (ONU). “A Defesa Civil de Belo Horizonte se tornou uma referência no Brasil. O reconhecimento das boas práticas colabora ainda mais para a promoção de uma cultura de prevenção, percepção do risco e adoção de medidas de proteção por parte da população”.

Na segunda-feira,  o Estado de Minas mostrou que a cidade conta com mais de 60 pontos principais de alagamentos . A prefeitura já concluiu oito grandes intervenções para conter inundações e ainda tem pelo menos nove obras para evitar grandes estragos. A maior parte desses pontos se encontram nos extremos do mapa: Barreiro e Venda Nova. Em um dos grandes corredores de BH, a Avenida Tereza Cristina, a expectativa de controle das inundações está ligada a obras do governo do estado no Córrego Ferrugem – na capital e na vizinha Contagem, ainda sob embargos judiciais relativos à desapropriação de imóveis na área.


Como evitar perigos durante a chuva


» Redobre a sua atenção. Evite áreas de inundação e não trafegue em ruas sujeitas a alagamentos ou perto de córregos e ribeirões nos momentos de forte chuva
» Não atravesse ruas alagadas nem deixe crianças brincando nas enxurradas e próximo a córregos
» Não se abrigue nem estacione veículos debaixo de árvores
» Atenção especial para áreas de encostas e morros
» Nunca se aproxime de cabos elétricos rompidos. Ligue imediatamente para Cemig (116) ou Defesa Civil (199).
» Se notar rachaduras nas paredes das casas ou o surgimento de fendas, depressões ou minas d’água no terreno, avise imediatamente a Defesa Civil.

Afaste o risco geológico


» Coloque calha no telhado da sua casa
» Conserte vazamentos em reservatórios e caixas-d'água
» Não jogue lixo ou entulho na encosta
» Não despeje esgoto nos barrancos
» Não faça queimadas

Fonte: Defesa Civil

Sinais de que deslizamentos podem acontecer


» Trinca nas paredes.
» Água empoçando no quintal.
» Portas e janelas emperrando.
» Rachaduras no solo.
» Água minando da base do barranco.
» Inclinação de poste ou árvores.

Fonte: Defesa Civil de BH


Dia de extremos


Minas Gerais deverá registrar temperaturas extremas hoje, com mínima 10ºC, no Sul do estado, e de quase 40ºC, no Norte. Em BH, por sua vez, o friozinho de 15ºC, durante a manhã, pode dar lugar a calorão de quase 30ºC à tarde. O cinza do céu vai permanecer em Minas, e o tempo nublado pode vir acompanhado de pancadas de chuva isoladas no Noroeste, Norte, Central Mineira e Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. Os termômetros devem bater nos 38ºC no Norte. Na capital, o tempo segue parcialmente nublado, e a temperatura terá máxima de 29ºC e mínima de 15°C. A umidade relativa do ar pode alcançar 95%.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade