Publicidade

Estado de Minas 'OPERAÇÃO CATIRA'

PF apura corrupção envolvendo diretores de presídios em Minas

Investigação mira gestores do sistema prisional suspeitos de usar oficina mecânica de presídios para fins particulares e receber suborno de detento


22/06/2021 08:09 - atualizado 22/06/2021 09:05

Operação da PF apura peculato e corrupção ativa e passiva envolvendo detentos e diretores do sistema prisional de Minas Gerais(foto: Polícia Federal/Dvulgação)
Operação da PF apura peculato e corrupção ativa e passiva envolvendo detentos e diretores do sistema prisional de Minas Gerais (foto: Polícia Federal/Dvulgação)
A Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (FICCO) - braço conjunto das polícias Federal, Civil, Militar e Penal - cumpre 12 mandados de busca e apreensão e uma medida cautelar em Belo Horizonte e Região Metropolitana na manhã desta terça-feira (22/6).

Intitulada 'Catira', a operação apura crimes de peculato e corrupção ativa e passiva supostamente cometidos por servidores do Sistema Penitenciário de Minas Gerais, com a participação de detentos e seus familiares.

A Polícia Federal (PF) suspeita de que os investigados tenham utilizado a estrutura da oficina mecânica de um presídio na Grande BH, além da mão de obra de custodiados, para conserto e manutenção de veículos particulares.

A PF também apura suposta troca de vantagens entre servidores públicos e um detento, condenado a 36 anos de reclusão por estupro de vulnerável e pornografia infantil

Dentro da cadeia, o condenado teria sido beneficiado com acesso à internet e aparelhos eletrônicos por um policial penal, o que é proibido, após ter sido designado para trabalhar no setor de ecnologia, mecânica e eletrônica da unidade prisional. 

Este detendo também é suspeito de subornar diretores e superintendentes do sistema prisional com equipamentos eletrônicos.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade