Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Um quarto dos vacinados ''esquece'' a segunda dose


16/06/2021 04:00

No mesmo dia em que apresentou o calendário para aplicação da primeira dose de vacina contra a COVID-19 na população do estado sem comorbidades e que não faz parte dos grupos profissionais ou sociais prioritários, o secretário de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, fez um apelo para que as pessoas que receberam a primeira dose de imunizante retornem para complementar o esquema de imunização com a segunda dose. Em entrevista coletiva concedida à imprensa ontem, na Cidade Administrativa, o chefe da pasta afirmou que um quarto dos imunizados com a primeira dose não tomou a segunda injeção. Ele lembrou que pessoas vacinadas continuam sujeitas a contrair a COVID-19, mas que o esquema de imunização completo pode reduzir fortemente a gravidade da doença.

"A imunização, tirando a da Janssen, que agora é uma novidade, é com duas doses. Só com duas doses. É muito importante. Temos que enfatizar que o governo do estado vem fazendo campanhas para buscar a segunda dose. Nossas regionais vêm, junto aos municípios, tentando fazer essa divulgação ampla em rádios, mídias locais, é porque vem acontecendo realmente (a falta das pessoas na data marcada para o reforço). Às vezes, um quarto da população não buscou a imunização da segunda dose. É muito diferente das vacinações comuns, influenza por exemplo, é dose única anual. Mas é muito importante esse reforço", afirmou.

EFEITOS 


O secretário mostrou a queda no percentual de internação nas faixas etárias em que a vacinação avançou nas duas doses. No entanto, ressaltou que a campanha cumprirá o papel de proteção coletiva quando 70% da população estiver vacinada.

"Temos experiências de vários países que imunizaram mais de 60% da população com a primeira dose, ou até 50% da segunda, e estão no pior momento de infecção da doença. É importante ressaltar que a vacina diminui casos graves e internação, a gente vê isso. A gente vê que os óbitos vêm diminuindo mesmo com aumento de casos. No entanto, a pessoa vacinada pode contrair doença, pode transmitir a doença e ela também pode evoluir a óbito”, frisou.

O secretário lembrou ainda que as medidas de higiene e distanciamento continuam válidas e devem ser reforçadas. “Temos que continuar com todas as medidas, uso de máscara, distanciamento social, higienização das mãos, porque a vacinação só vai cumprir seu papel para que a gente volte à normalidade quando a gente atingir a tal da imunidade de rebanho, com 70% das duas doses. Estamos longe desse momento", reafirmou.

CASOS E MORTES 

Minas confirmou 9.719 casos e 52 mortes por COVID-19 em 24 horas. De acordo com o boletim epidemiológico, divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde, 1.694.681 foram contaminadas com o novo coronavírus e 43.206 morreram vítimas da doença.

A média móvel de mortes, por data de notificação, é de 212. Em 2 de junho, era 191. Portanto, em duas semanas, houve aumento de 10,9% o que coloca o estado em estabilidade, mas ainda assim com número elevado de mortes. A média móvel de casos é de 8.716. Há duas semanas, era 8.329. Portanto, houve aumento de 4,6% em duas semanas, indicando estabilidade em patamar elevado.
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade