Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Comerciantes pedem a Zema flexibilização do horário de bares e restaurantes

Donos de bares e restaurantes de regiões do estado afetadas pelas medidas mais restritivas reclamam de prejuízo ao faturamento no Dia dos Namorados


07/06/2021 18:02 - atualizado 07/06/2021 19:13

Comerciantes de Tiradentes pedem que o governador Romeu Zema desconsidere a medida que restringe o horário de funcionamento de bares e restaurantes(foto: Luiz César Costa/Divulgação )
Comerciantes de Tiradentes pedem que o governador Romeu Zema desconsidere a medida que restringe o horário de funcionamento de bares e restaurantes (foto: Luiz César Costa/Divulgação )
 As novas determinações do programa Minas Consciente estão preocupando empresários e trabalhadores do setor de gastronomia noturna. A medida restringe o horário de funcionamento de bares e restaurantes de cidades de cinco regiões que estão na onda vermelha do programa. 

 

O governo de Minas anunciou na quinta-feira (3/6) passada que cinco macrorregiões já inseridas na onda vermelha de restrições para o conter a COVID-19 vão precisar seguir medidas mais rígidas.

A determinação vale para Triângulo do Sul, Sul, Oeste, Leste do Sul e Centro Sul. O cenário epidemiológico nos locais motivou o endurecimento das regras.


Desde domingo (6/6), eventos culturais e naturais estão proibidos, além do funcionamento de clubes, salões de beleza e academias. Em bares e restaurantes, o consumo no local pode ocorrer até as 19h – depois disso, fica autorizado apenas o delivery, sem retirada em balcão.


Dia dos Namorados 


Para a Associação Empresarial de Tiradentes (ASSET), o impacto deve atingir diretamente o faturamento desses estabelecimentos no Dia dos Namorados, data que é considerada uma das mais importantes para o calendário do setor.

Wellerson Cabral, presidente da entidade, afirma que todo o setor gastronômico noturno será afetado. 

“Com a suspensão das atividades, todo o setor gastronômico noturno fica sem a possibilidade de operar de forma adequada. Em especial nesta data de 12 de junho, o Dia dos Namorados, que é a noite que mais gera recursos financeiros no ano para bares e restaurantes. Essa determinação pode acabar gerando uma cadeia de desemprego catastrófica para uma parcela da economia que já vem sofrendo há 15 meses sem amparo”, argumenta.

Em resposta à possível medida, a associação escreveu uma carta ao governador Romeu Zema pedindo que a restrição do serviço presencial em bares e restaurantes não fosse considerada. 

“É importante lembrar que esse resultado não é uma realidade apenas de Tiradentes. É válido para todos os estabelecimentos em nível estadual. Por isso, o problema de um novo fechamento tão amplo é tão grave. Ainda mais na noite de maior arrecadação do setor”, salienta.

Veja a carta na íntegra:


"Carta aberta da ASSET-Associação Empresarial de Tiradentes ao Poder Público de Minas Gerais 

Neste fim de semana tivemos a notícia que bares e restaurantes, de algumas regiões do estado de Minas Gerais, não poderão atender presencialmente após as 19h e a proibição do funcionamento de academias e salões de beleza valendo a partir do dia de ontem.

Essa notícia é extremamente preocupante devido a situação financeira que os estabelecimentos vêm passando após 15 meses de pandemia e restrições em funcionamento. Ainda mais preocupante por interferir numa das noites mais importantes para o setor gastronômico noturno: a noite do Dia dos Namorados!

Lamentamos as perdas e entendemos que as medidas tomadas até aqui ocorram para que o quadro não seja ainda mais grave.

Por outro lado, restaurantes e bares são essenciais para a manutenção da economia local e que funcionam como sustento da economia das cidades, especialmente em cidades turísticas que se portam como principal atrativo, que clamam por atenção e precisam de amparo. Além disso, as academias são comprovadas como eficazes e indispensáveis à manutenção da saúde, ainda mais num momento em que nossa principal preocupação é a saúde da população.

Essa medida irá impactar diretamente no desemprego das cidades que sofrem essa restrição e gerar ainda mais prejuízo social. O setor gastronômico noturno, as academias e salões de beleza já passam por 15 meses de prejuízo financeiro e não podem se submeter ainda mais a esse impedimento. Após recorrermos a todos os recursos oferecidos pelo governo não podemos mais sofrer com esse fechamento.

As cidades turísticas dependem dos estabelecimentos para a manutenção do movimento e do fluxo de turistas. É lamentável ficar inerte como estamos. Cidade turística vive de turismo e a gastronomia se destaca como um dos maiores pilares que sustenta essa economia!

Estamos defendendo o funcionamento do setor gastronômico noturno, o qual envolve atividade sem potencial de aglomeração e realizada com reserva prévia, e de academias, as quais prezam pela manutenção da saúde dos indivíduos.

Não queremos ignorar o cenário pandêmico que vivemos, queremos apenas que nosso direito de trabalhar seja garantido, dentro de todos protocolos que desde o início da pandemia instituímos em nossos locais de trabalho para preservar nossas vidas, de nossos colaboradores e de nossos clientes!

Estamos dispostos a mais rigidez nos protocolos, optando pela diminuição do número de pessoas e não nessa restrição de horário imposta, muito menos que os estabelecimentos sejam impedidos de abrir, a poder operar de uma forma que o risco de infecção pelo vírus seja ainda menor.

Nos colocamos à disposição para abrir um diálogo entre empresários e autoridades a fim de pensarmos juntos numa nova maneira de atuar sem prejudicar tanto o sistema de saúde, quanto a integridade de nossos funcionários e a saúde financeira de nossos negócios.

Agradecemos a oportunidade de fala e esperamos encarecidamente que o Poder Público aja com sabedoria."
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade