Publicidade

Estado de Minas CORONAVÍRUS

Com vacina, mortes de idosos de 80 anos caiu pela metade em Uberlândia

Os idosos são o grupo com maior número de imunizados, com aplicação de duas doses em 63 mil deles ou 80% do total


05/06/2021 15:57 - atualizado 05/06/2021 16:30

A queda de mortes entre idosos foi medida entre janeiro e maio(foto: Divulgação/Prefeitura de Uberlândia)
A queda de mortes entre idosos foi medida entre janeiro e maio (foto: Divulgação/Prefeitura de Uberlândia)
  
O percentual de mortes entre pessoas na faixa dos 80 anos por COVID-19 caiu pela metade em Uberlândia após o início da vacinação. Os números foram divulgados pela prefeitura do Município do Triângulo Mineiro. Os idosos são o grupo com maior número de imunizados, com aplicação de duas doses em 63 mil deles, o que representa quase 80% dos totalmente imunizados no local.

Em janeiro, os óbitos entre pessoas de 80 a 89 anos representavam 16,67% das mortes por COVID-19 na cidade. No mês de maio, essa taxa caiu cerca de 50%, chegando a 8,53%. Os número se tornam ainda mais expressivos entre aqueles que têm mais de 90 anos, que é um grupo menor. No início do ano, as perdas nesta faixa etária representavam 8,97% e no último mês cederam para 1,42%.

Dados do vacinômetro municipal apontam 98.568 pessoas com mais de 60 anos vacinados com a primeira dose de imunizantes contra o coronavírus. Já com a segunda aplicação feita há 63.169 habitantes desse grupo. O segundo recorte com maior quantidade de vacinas tomadas é o de indivíduos com comorbidades, somando 37.447 no total. Apenas 12 destes receberam a segunda aplicação.

“Depois de quase um ano adotando e estimulando diversas medidas sanitárias e de biossegurança para combater o avanço da Covid-19, foi com o início da vacinação que sentimos uma redução mais significativa no número de óbitos entre aquelas com mais de 80 anos”, afirmou o prefeito de Uberlândia, Odelmo Leão(PP), em nota divulgada pela prefeitura.

Muda perfil

Contudo, segundo dados da Vigilância Epidemiológica Municipal, ao mesmo tempo em que houve imunização dos mais velhos, a proporção entre o total de óbitos e aqueles por faixa etária teve uma mudança de perfil, com vítimas mais jovens.

“Com base nos dados estatísticos deste ano, notamos um arrefecimento da mortalidade entre os mais idosos. Infelizmente, com o vírus ainda em circulação e a chegada da segunda onda, que trouxe novas variantes mais agressivas e eficientes na transmissão, percebemos o crescimento dos óbitos entre a população mais jovem e ainda não contemplada pela vacina, o que demonstra a importância de não descuidarmos do distanciamento e do isolamento social, nos casos em que isso é possível, uso de máscara e constante higienização das mãos”, disse o secretário municipal de Saúde, Gladstone Rodrigues.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade