Publicidade

Estado de Minas COVID-19

COVID-19: Profissionais que têm o medo como companheiro da dedicação

Auxiliares revelam mudanças no cotidiano de hospitais com chegada do coronavírus e descrevem o temor que passou a dividir lugar com o empenho no dia a dia


16/05/2021 04:00 - atualizado 16/05/2021 08:21

"Sabia que nada poderia dar errado, que havia uma vida nas nossas mãos, e que era minha obrigação me dedicar ao máximo"

Carlos Laurentino Neves, auxiliar de enfermagem

O esforço, a tensão e o medo. Esses sentimentos não envolvem apenas os médicos que assistem os pacientes graves da COVID-19. São sensações também vividas por outros profissionais da saúde que atuam no apoio às equipes que atendem as vítimas da pandemia. São trabalhadores que aparecem menos, mas que têm igual importância na missão de salvar vidas.

 

Um deles é o auxiliar de enfermagem Carlos Laurentino Neves, de 39 anos, do Hospital Universitário Clemente de Faria, em Montes Claros, no Norte de Minas, referência regional no atendimento aos pacientes da COVID-19 e vinculado à Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes). Ele se recorda dos primeiros casos da doença, há um ano, que envolveram uma mistura de sentimentos.

 

“Os primeiros casos atendemos com tranquilidade, apesar de tudo ser novo para nós, pois tínhamos pela frente uma doença com alta capacidade de matar ou deixar sequelas de grande impacto na vida das pessoas, e sobre a qual não sabíamos quase nada”, afirma. Depois, veio o medo, “pois tudo aconteceu muito rápido”. “Não tínhamos protocolos que tivessem sido gerados após estudos com comprovação de eficácia, como aconteceu com outras doenças no passado, e nós acompanhávamos pelos jornais as tristes notícias de profissionais da saúde na Europa, que era o lugar da catástrofe naquele momento, se contaminando e perdendo a vida em escala alta”, relembra o técnico em enfermagem.

 

Ele afirma que sempre manteve a fé, rogando a Deus para não se tornar mais um contaminado. “Sempre rezava antes de ter contato com qualquer paciente. Acredito que Deus estava ali comigo o tempo todo”, confessa Carlos.

 

Na área há 14 anos, o servidor fala do diferencial dos procedimentos com pacientes contaminados pelo coronavírus. “A maior diferença está na larga escala de preocupação. Temos que agir rápido. O paciente pode evoluir para quadro de complicações muito rapidamente e vir a óbito em fração de minutos, além do risco iminente de contaminação dos profissionais”, observa. “Em cada procedimento, sabia que nada poderia dar errado, que havia uma vida nas nossas mãos, e que era minha obrigação me dedicar ao máximo em cada atividade”, completa.

 

A pandemia do coronavírus também trouxe mudança significativa na vida da experiente auxiliar de enfermagem Maria de Jesus da Paz Queiroz, a Zuzinha, de 72. Ela trabalha no Hospital Dílson Godinho, também em Montes Claros, e convive diretamente com os impactos da doença nos serviços de saúde.

 

Os 39 anos dedicados à profissão não impediram que ela sofresse com a apreensão que atinge os profissionais envolvidos no combate à pandemia. “O medo é um sentimento com que convivo a cada instante de minha vida”, admite. Além dele, há a angústia do distanciamento dos familiares. “Fiquei sem poder encontrar com minha família constantemente, com saudade dos meus bisnetos.”

 

"Eu me sinto uma sobrevivente a cada amanhecer e agradeço a Deus pela vida de todos os que estão ao meu redor"

Luciana Patrícia Silva Nobre, funcionária administrativa do Hospital Universitário Clemente de Faria

 

“Agradeço a cada milagre” 

 

 

Também funcionária do Hospital Universitário Clemente de Faria, onde atua no setor de apoio administrativo do Departamento de Gestão de Pessoas, Luciana Patrícia Silva Nobre lamenta as perdas de vidas e diz que, mesmo não estando dentro de uma UTI, também encara a aflição com o enfrentamento da pandemia.

 

“A doença me aflige muito, pois fazemos parte no momento de um contexto incerto e tenebroso. Perdemos pessoas todos os dias, e isso nos deixa muito tristes e inseguros”, comenta Luciana. Por outro lado, ela afirma ter orgulho de trabalhar em um hospital onde “as pessoas são tratadas com respeito, carinho e muita dedicação”.

 

A servidora conta que a pandemia mudou muita coisa em sua vida, inclusive “o modo de pensar e agir. “Procuro a cada dia renovar esperanças, valorizar as pessoas que amo e cuidar um pouco mais de mim. É sempre um novo desafio. Eu me sinto uma sobrevivente a cada amanhecer e agradeço a Deus pela vida de todos os que estão ao meu redor. Vejo o cuidado especial de Deus em cada detalhe e agradeço a cada vida e a cada milagre”, afirma.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade