Publicidade

Estado de Minas UPA BARREIRO

Idoso com perna fraturada é levado para ala COVID-19 sem testar positivo

Família alega que, durante atendimento para tratar a fratura, ele foi transferido após apresentar tosse, mas não estava com coronavírus


14/04/2021 19:34 - atualizado 14/04/2021 21:17

Teotônio Souza, de 75 anos, buscou atendimento na UPA Barreiro para uma fratura na perna(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Teotônio Souza, de 75 anos, buscou atendimento na UPA Barreiro para uma fratura na perna (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Um homem, de 75 anos, está há uma semana sem receber o tratamento efetivo para uma fratura no fêmur e ainda foi levado para a ala COVID-19 da UPA Barreiro e do Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro do mesmo sem a confirmação de que estava com a doença causada pelo novo coronavírus.

Na quarta-feira da semana passada (7/4), Teotônio Souza sofreu uma queda e precisou ser encaminhado para a UPA, para atendimento. Cristiamara Giordani Souza, que acompanhou o pai, ficou revoltada com a situação à qual ambos foram expostos.

Segundo ela, entre 7 e 9 de abril o idoso ficou internado na UPA, enquanto aguardava transferência para realizar a cirurgia na perna. Durante o atendimento, ele tossiu e foi levado para fazer uma radiografia no tórax, que constatou uma mancha no pulmão. 
 
Apesar de a mancha ser um dos sinais de possível infecção por COVID-19, o motivo não foi identificado e será investigado posteriormente.

“Ele teve uma única tosse, justamente na hora que a médica estava passando, e pediram uma radiografia do tórax. O pulmão do meu pai já não é muito limpo, como a mancha apareceu, uma tosse e uma única saturação baixa, ele foi transferido de acordo com o protocolo”, diz Cristiamara.
 
O problema, segundo a filha de Teotônio, é que o pai não tinha confirmação de COVID-19, chegou à UPA para se tratar de uma fratura na perna, ficou entre os pacientes positivos para a infecção e não foi operado.

Cristiamara diz que permaneceu ao lado do pai, pois ele tem algumas sequelas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), como déficit de atenção. “Como falei que não poderia sair de perto dele, ouvia a equipe de enfermagem falando ‘o pai dela é institucionalizado, como está com esse zelo todo?’. Quando eu pedia para colocarem máscara, pois estavam positivos, a equipe falava que ‘se vocês estão aqui, já pegaram também’ e ‘por que estão aqui se é negativo?’”, conta Cristiamara. 
 
O transtorno continuou quando a família de Teotônio pediu o prontuário de atendimento e não teve acesso. "Enquanto ele estava no pronto atendimento, suspeitaram de COVID-19 por causa da tosse e em 40 minutos ele já estava na enfermaria. Pedimos o prontuário, falaram que iriam me entregar, mas ninguém entregou até agora!”. 
 

Transferência


Após mais um dia na ala de coronavírus da Upa, o idoso foi transferido para o Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro (HMDCC) para tratamento exclusivo da infecção – que não tinha sido confirmada.

Ele foi levado para outro ambiente com pessoas infectadas, sem apresentar sintomas e ainda com a perna fraturada. 
 
Uma médica de plantão chegou a examinar Teotônio e, de acordo com Cristiamara, teria dito que não via ‘motivos para ele estar internado’.

Dois exames foram feitos no HMDCC: um teste PCR e uma angiotomografia do tórax. Ambos deram negativo para o novo coronavírus.

Um primeiro exame PCR já havia sido realizado na UPA Barreiro, entretanto, o resultado demora sete dias e a família ainda não teve acesso. 

A palavra da prefeitura

 
Segundo a Prefeitura de Belo Horizonte, o idoso foi levado para a ala de coronavírus na UPA por ter apresentado sintomas compatíveis com a doença e transferido para o HMDCC por um agravamento.

A filha, porém, nega que o pai tenha sentido outras dores ou agravado os sintomas.
 
Além disso, em nota, a PBH afirmou que Teotônio está realizando exames de risco cirúrgico e será operado no Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro, da fratura no fêmur.
 
Veja a nota na íntegra:
 
A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informa que o paciente deu entrada na UPA Barreiro com fratura no fêmur, mas apresentou sintomas compatíveis com doença respiratória. Diante disso, a equipe prestou toda a assistência necessária, inclusive realizando o teste RT-PCR para identificação da Covid. 

Seguindo o protocolo da SMSA e por precaução, já que os sintomas respiratórios foram se agravando, o paciente foi transferido para o Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro, referência no tratamento da Covid.

Enquanto aguardava o resultado do teste, o paciente foi acompanhado pelas equipes clínica e ortopédica do hospital.

Após o resultado do teste negativo, o paciente foi transferido para área não Covid e já está realizando os exames de risco cirúrgico para ser submetido à cirurgia no próprio Hospital Metropolitano Dr. Célio de Castro.
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Kelen Cristina 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade