Publicidade

Estado de Minas ESTADO DE ALERTA

Atraso no repasse de 'kits intubação' e poucos médicos travam UTIs em MG

Governo cobra agilidade do Ministério da Saúde na transferência de relaxantes e sedativos; busca por médicos deve aumentar com nova lei


31/03/2021 15:46 - atualizado 31/03/2021 18:08

Busca pela habilitação de leitos esbarra em obstáculos; pouca mão de obra e falta de insumos são problemas(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Busca pela habilitação de leitos esbarra em obstáculos; pouca mão de obra e falta de insumos são problemas (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) admite dificuldades para habilitar novas unidades de terapia intensiva (UTIs). A demora na transferência, por parte do Ministério da Saúde, de medicamentos necessários para intubar pacientes é um dos problemas enfrentados. A escassez de recursos humanos também emperra o processo.

Nesta quarta-feira (31/3), o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, afirmou que o governo federal não passou toda a carga de sedativos, relaxantes musculares e similares prometida para a última sexta (26).

“Neste momento, a gente vem distribuindo a conta gotas, paulatinamente. Não temos um estoque grande. Temos estoque que consegue garantir três dias de medicamentos. É uma situação muito complexa e difícil. Necessitamos da boa intenção dos hospitais, em nos falar o estoque real”, disse, em entrevista coletiva na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

Cerca de 762 pacientes aguardam a liberação de UTIs em Minas. O governo do estado não fornece os índices de ocupação dos leitos intensivos e de enfermaria, mas o chefe da Baccheretti afirmou, nesta quarta, que a taxa de vagas de alta complexidade preenchidas está chegando a 100%.

“É muito difícil abrir leitos de terapia intensiva no estado”, lamentou.

A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) abriu 33 novos leitos na Região Central, fortemente afetada pela pandemia. O governo tenta mais 40 vagas para as cidades do entorno. Vale do Aço e Região Oeste também têm recebido atenção especial.

Para aliviar a pressão sobre o sistema, o governo opta por montar equipes que mesclam médicos experientes a profissionais novatos. Apesar disso, o número de interessados não permite a abertura massiva de leitos.

“Houve aumento da remuneração na Fhemig e ampliação das especialidades — e não só intensivistas. Mesmo assim, a gente vem tendo dificuldade nas contratações por escassez de mercado. Muitos dos profissionais que a gente contratou trabalham em outros dois ou três hospitais”, explicou Fábio Baccheretti.

Voluntários, estagiários e aposentados são esperança

Nessa terça (30/3), deputados estaduais mineiros autorizaram o governador Romeu Zema (Novo) a contratar profissionais de saúde aposentados. Aval, também, à A designação de estagiários, além do chamamento de voluntários e estrangeiros. O poder Executivo espera que a medida impulsione o processo de captação de trabalhadores.

“É como se fosse uma grande força-tarefa para que a gente consiga ir às regiões que estão sofrendo mais”, esperançou o secretário de Saúde, sem deixar de ressaltar as dificuldades da busca.

 

 



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade