Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: monitoramento dos esgotos aponta aumento de infectados em BH

A estimativa é que o número de casos tenha aumentado em 100 mil em uma semana, atingindo 600 mil pessoas


27/11/2020 16:29 - atualizado 27/11/2020 17:23

Ribeirão Arrudas é um dos locais monitorados pelos pesquisadores (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 25/10/2020)
Ribeirão Arrudas é um dos locais monitorados pelos pesquisadores (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 25/10/2020)
O aumento do número de infectado pela COVID-19 foi registrado pelo Monitoramento COVID Esgotos. Nesta sexta-feira (23),  dados colhidos na semana epidemiológica de número 47 apontam um “aumento generalizado” na detecção do novo coronavírus nos esgotos das cidades de Belo Horizonte e Contagem (Minas Gerais). 

Em Belo Horizonte, a população total infectada estimada alcançou cerca de 600 mil pessoas. Eram 500 mil há uma semana. Em Contagem, a população infectada estimada mais que dobrou em relação às duas semanas anteriores, chegando a cerca de 300 mil pessoas.

De acordo com os pesquisadores, este cenário reflete o aumento da circulação do vírus em Belo Horizonte e aponta fortes indícios para novo agravamento da pandemia na capital. "Ressalta-se, então, a importância do fortalecimento de medidas de prevenção e controle para redução da disseminação do vírus no município”, informa a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

Estudo aponta que na bacia do Arrudas o aumento da carga viral detectada nos esgotos foi “acentuada” em cinco das sub-bacias pesquisadas e em outras sub-bacias eles destacam os aumentos consecutivos nas últimas seis semanas de estudo.

Na bacia do Onça, em sete pontos de coleta foram observados “aumentos exacerbados dos percentuais de população infectada”.

Os pesquisadores participantes no estudo reforçam que não há evidências da transmissão do vírus através das fezes (transmissão feco-oral) e que o objetivo da pesquisa é mapear os esgotos para indicar áreas com maior incidência da doença e usar os dados obtidos a partir do esgoto como uma ferramenta de aviso precoce para novos surtos, por exemplo.

Sobre o projeto-piloto

O projeto-piloto é uma iniciativa conjunta da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações Sustentáveis de Tratamento de Esgoto (INCT ETEs Sustentáveis/UFMG), em parceria com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA), o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

O trabalho tem o objetivo de monitorar a presença do novo coronavírus nas amostras de esgoto coletadas em diferentes pontos do sistema de esgotamento sanitário das cidades de Belo Horizonte e Contagem, inseridos nas bacias hidrográficas dos ribeirões Arrudas e do Onça. Assim é possível gerar dados para a sociedade e ajudar gestores na tomada de decisão.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade