Publicidade

Estado de Minas CATEDRAL CRISTO REI

Construção da Catedral Cristo Rei avança, com base para nave e torres

Começa a concretagem das paredes Norte e Sul do templo, projetado por Niemeyer e financiado por doações


11/11/2020 04:00 - atualizado 11/11/2020 09:31

 
Duas fôrmas recebem o concreto para preparação das paredes Norte e Sul. As curvas do arquiteto, que garantem leveza à obra, já são visíveis(foto: Bruno Timóteo/Arquidiocese de BH/Divulgação)
Duas fôrmas recebem o concreto para preparação das paredes Norte e Sul. As curvas do arquiteto, que garantem leveza à obra, já são visíveis (foto: Bruno Timóteo/Arquidiocese de BH/Divulgação)
As mãos postas que se elevam ao céu, projetadas pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), começam a sair do chão e ganhar forma. Às vésperas de completar sete anos de obras, a Catedral Cristo Rei, na Região Norte da capital, teve, ontem, uma etapa importante na sua construção: o início da concretagem das chamadas paredes Norte e Sul, que são a base para o topo da nave e das torres de 100 metros de altura. Segundo informações da Arquidiocese de Belo Horizonte, as duas estruturas (Norte e Sul) serão erguidas conjuntamente, ao longo de 2021. "Enquanto a fôrma de uma estiver cheia de concreto, a outra estará esperando o material para ser erguida", disse o engenheiro civil da obra, Antônio Márcio de Freitas. Nessa etapa, foram empregados 180 metros cúbicos de concreto, que equivalem a 23 caminhões-betoneira.

Com 40% da obra concluída, a catedral já mostra as famosas “curvas de Niemeyer”, marca registrada do autor do projeto arquitetônico, que apresentou a concepção do templo, em 2006, ao arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo. Em concreto armado, as formas estão presentes, por exemplo, na cobertura do altar externo, vão-livre de 8,5 metros que se inicia com 11m e se abre em 21m de largura na parte da frente. "O concreto dá essa leveza às curvas projetadas por Niemeyer, é uma característica técnica, embora com toda essa complexidade", afirma o arquiteto da arquidiocese, Leonardo Araújo. 
 
Mesmo com a pandemia do novo coronavírus, as obras seguem em ritmo normal, diz Antônio Márcio, explicando que, em 10 meses, houve escala especial de trabalho em cinco deles, incluindo férias coletivas em março e abril, para evitar a circulação de trabalhadores, em tempos de necessário distanciamento social.

Nos quase sete anos de obras, foram empregados R$ 51 milhões – o custo total previsto é de R$ 150 milhões. Em entrevista ao EM, dom Walmor mantém acesa a chama da esperança e da confiança nas doações dos fiéis: “Entre 11 de fevereiro de 2021 e 11 de fevereiro de 2022, vamos comemorar os 100 anos da arquidiocese. Então, acreditamos, será possível concretizar o sonho do primeiro arcebispo de BH, dom Antônio dos Santos Cabral (1884-1967)”.

Estrutura

Iniciada em 2013, dois anos depois de instalada uma cruz de 20 metros de altura, que pode ser vista da Avenida Cristiano Machado, a construção da Catedral Cristo Rei segue o projeto de Niemeyer no compasso das ajudas voluntárias. Na estrutura sob a Praça das Famílias, em formado ovalado, haverá uma série de setores de evangelização e prestação de serviços, como a Acolhida Solidária Dom Luciano Mendes de Almeida, o auditório com 800 lugares, cinco museus, escola de música e especializada na arte dos mosaicos, entre outros. A evangelização, por sinal, começou em 2015, no canteiro de obras, ao ser erguida a Tenda Cristo Rei, aberta diariamente com programação que inclui missas, orações do terço e atendimento de confissões. Futuramente, o espaço poderá ser usado como hospedagem para o clero.

 
A atual fase de trabalhos na Catedral Cristo Rei é fundamental, pois cria “a base” para a construção da cúpula e dos pórticos brancos, que, conforme o projeto de Niemeyer, se assemelham à vela de um barco, asas ou, dependendo da interpretação de cada um, dedos se tocando. Outro destaque será o piso da Praça das Famílias, com seu formato ovalado, a dois metros acima do nível da Avenida Cristiano Machado.

Ajuda

A obra da catedral não para de reservar surpresas. Sob o templo ficará a Cripta Jesus Ressuscitado, memorial para preservar a história da Arquidiocese de BH. Na cripta, estarão sepultados arcebispos, bispos e padres que serviram à Igreja na capital e região metropolitana e haverá painéis interativos nos quais os fiéis poderão recordar momentos importantes na trajetória da instituição quase centenária.

Quem quiser colaborar com doação de 
 valor pode usar também a internet, no 
site www.catedralcristoreibh.com.br/doa. 
Informações: (31) 3269-3100




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade